• Josuel Junior - Editoria

MARIA DO BAIRRO COMPLETA 25 ANOS E JÁ RODOU O MUNDO

Maria la del Barrio, Maria do Bairro, Mariang Taga-Barrio, Maria z przedmieścia, Sărmana Maria, מריה מריה, Μαρία της γειτονιάς, Maria, a lány a Külvárosból - A novela mexicana que rodou o mundo!

A história da catadora Maria, que estreou no México em 1995 já foi exibida na Polônia, Israel, Nicarágua, Romênia, Rússia, Grécia e mais de 150 países. Tem ideia disso? Em 2020, o clássico completa 25 anos. Para comemorar, uma matéria sobre ela em nosso Portal.


As novelas latinas, embora pareçam um pouco fracas, se comparadas com as produções brasileiras, são, sem sombra de dúvida, parte importante do cartão de visita da televisão latino e sul-americana. São muitos os sucessos produzidos no México, Venezuela e Brasil, porém, não são todas que entram na memória afetiva dos telespectadores.

No México, além de sua exibição original, entre 14 de agosto de 1995 e 03 de maio de 1996, a novela foi exibida em 2005, 2008 e em 2012. Quando lançada, a trama era exibida no final da tarde, mas o sucesso foi tão expressivo que a direção do Canal de las estrellas tratou de jogá-la para o horário nobre, às 21h. O sucesso foi inevitável e a novela teve 185 capítulos. Já aqui no Brasil ela teve sua estreia em 1997. Ainda era novidade, uma vez que o público brasileiro estava começando a entender que se tratava da última parte de uma trilogia de Marias. “Maria Mercedes” e “Marimar” não fizeram feio na audiência em suas primeiras exibições, porém, não chegaram a ser um fenômeno por aqui... Até que a novela das sete da Globo na época “Zazá” (Lauro Cesar Muniz, 1997) foi perdendo o rumo e o encanto, fazendo com que vários telespectadores migrassem de canal e fossem apresentados à uma moça até simpática que falava tudo errado e que tinha um gingado interessante. Eu, confesso, fui desses telespectadores que viraram a casaca. Em algum momento da sua vida você sobre essa novela. Também pudera... Ela foi reprisada em 1997, 2004, 2007, 2012, 2013 e 2015.


“Maria la del Barrio”/ “Maria do Bairro” é uma produção mexicana da Televisa realizada entre 1995 e 1996. Baseada no original de Ines Rodena com versão de Vivian Peztalozzi, a novela teve licenças poéticas de “Los ricos también lloran”/ “Os ricos também choram” (Televisa, 1979). Ela teve uma coisa em comum em sua produção: foi estrelada por uma cantora pop latino-americana. A saga das moças pobres e sofridas que entram num romance com rapazes ricos começou em “Maria Mercedes” (adaptada de Carmen Salina, 1992) e seguiu com “Marimar” (adaptada por Carlos Romero Villareal, 1994). Você pode rir, fazer piada com o tema de abertura, achar a dublagem brega e engraçada e, mesmo que nunca tenha assistido a mais de dois capítulos, com certeza sabe que é uma novela famosa. Talvez o que cause maior estranhamento seja o fato de ter sido exibida sete vezes pelo SBT.


Pois bem... Maria do Bairro é uma moça pobre que mora no lixão e que vê sua vida mudar quando sua tia, uma senhora já doente, morre a deixando sem ninguém. Para sorte da moça, um padre a acolhe e ela é adotada pela família De la Vega, mais precisamente pelo patriarca Fernando (Ricardo Blume). A decisão do empresário assusta a todos, a começar por sua esposa Vitória (Irán Eory), e seus filhos: Vanessa (Montserrat Gallosa), Vladimir (Héctor Soberón) e Luis Fernando (Fernando Colunga). Luis Fernando é um jovem inconsequente, debochado e fanfarrão. Ele é noivo de Soraya Montenegro (Itatí Cantoral), uma mulher possessiva e ciumenta. Soraya tem seus segredos e um deles é sua relação nada normal com Nana Calixta (Silvia Caos), uma espécie de ama e tutora que a ajuda em alguns feitiços para prender Luis Fernando.


Maria estranha a boa vida na casa dos De la Vega e se sente como a cinderela. Pouco a pouco ela ganha a confiança de todos e, sem querer, se apaixonar por Luis Fernando. Os dois se casam, a moça engravida, Luis Fernando passa a beber todos os dias e, com isso, a heroína não suporta a pressão e fica constantemente confusa e com transtornos mentais. A situação fica tão crítica que logo após o parto, Maria entrega seu filho à uma mulher na rua. Seu nome é Agripina (Carmen Salinas), que mesmo sem entender aceita a criança. Como solução rápida, Luis Fernando adota uma menina para que Maria não surte de vez. Porém, há um detalhe... Ela havia dado a luz a um menino.


O tempo passa. O amor de Luis Fernando e Maria já não é o mesmo. Maria tem fixação em reencontrar seu filho e se esquece de dar atenção à Maria dos Anjos/ Tita (Ludwika Paleta), sua filha adotiva. Numa incrível coincidência, Agripina passa mal e seu filho adolescente, Nandinho (Osvaldo Benavides), resolve roubar para comprar remédios pra ela. E qual casa ele vai assaltar? A dos De la Vega, claro! Nandinho é flagrado e ameaçado por uma arma em punho de Luis Fernando. O menino tenta explicar que queria dinheiro para ajudar sua mãe, mas não o convence. A cena assusta a todos da família. Maria, com um pressentimento, resolve visitar a tal mãe de Nandinho no hospital e reconhece seu rosto... Sim, era o rosto da mulher a quem ela entregou seu filho anos atrás!


Depois que tudo parece estar bem, a vilã Soraya retorna à trama para destruir a vida de todos os que lhe fizeram mal no passado. Sua volta é uma surpresa para todos que achavam que ela estava morta. Fingindo ter se tornado uma pessoa serena e do bem, Soraya se aproxima da família De la Vega. Sabendo que Nandinho é filho de Maria, Soraya passa a seduzir o jovem, que logo cai nas graças dela. Sofrimento pouco é bobagem para a doce Maria do Bairro.


VOCÊ SABIA?


· O argumento e direitos reservados de “Maria do Bairro” foram vendidos para a norte-americana Telemundo e ABS-CBN, das Filipinas;


· A novela que inspirou a trama de “Maria do Bairro” (“Los ricos también lloran”), também é um remake de uma outra novela venezuelana chamada “Raquel”, de 1973;


· Thalia é uma dessas divas da música pop. Quando a novela estreou no Brasil, ela era figura fácil de programas de Silvio Santos.;


· A atriz Itati Cantoral, que interpretou a maquiavélica Soraya Montenegro, participou da versão hispânica de “Vale Tudo” (Gilberto Braga, Leonor Basères e Aguinaldo Silva, 1988) intitulada “Vale Todo”, em 2002. Na novela ela assumiu o papel da protagonista, que no Brasil ficou a cargo de Regina Duarte;


· Quando “Maria do Bairro” foi exibida nas Filipinas, a exemplo de algumas novelas brasileiras, Thalia foi requisitada a cantar o tema de abertura na língua do país.

· As versões dubladas da novela em outros países também são uma atração a parte. Confira aqui a versão de Israel:


TODAS CONTRA THALIA

Mocinha mexicana que se preze tem que comer o pão que a vilã de sua novela amassou. E as Marias de Thalia sofreram, viu!? E não foi pouco...

Maria Mercedez/ MariMar/ Maria do Bairro

Em “Maria Mercedes” (adaptada de Carmen Salina, 1992), a ex-vendedora de flores e bilhetes de loteria penou muito nas mãos da sogra Malvina (Laura Zapata).


O que Malvina fez?

· Ela pagou um salva-vidas para seduzir Maria durante sua lua-de-mel com Jorge Luis;

· Ela tentou colocar Maria num sanatório;

· Ela tentou matar Maria.

No final, desnorteada, a matriarca da família Del Omo começa a fazer o mesmo que sua rival, trabalhando entre os semáforos limpando vidros de automóveis. Seus filhos, Jorge Luis e Dina (Carmen Amezcua) a encontram e a levam para um sanatório. Vitória de Maria!

“Marimar”, uma moça da costa, foi seduzida Sergio Santibañez (Eduardo Capetillo), um playboy que, para provocar sua família, se envolve com a moça pobre e analfabeta. Ela se apaixona rapidamente por ele, que a abandona, principalmente com as investidas de Angélica (Chantal Andere), a noiva inconformada. Sérgio abandona Marimar grávida e a moça é presa ao ser acusada de roubo por Angélica. Para cuidar da filha, a heroína trabalha na casa de um homem rico, que se encanta por ela e a transforma numa dama da sociedade. Anos se passam e Marimar, agora chamada Bella, se torna uma mulher poderosa e se vinga de todos que lhe fizeram mal no passado. E nessa vingança, Angélica se dá mal...

O que Angélica fez?

· Ela mandou queimar a cabana onde Marimar vivia com sua família, matando a todos carbonizados;

· Ela acusou Marimar de roubo para ela ser presa;

· Ela fez Marimar catar uma pulseira da lama com a boca.

Marimar, depois de muito rejeitar Sergio, baixa a guarda e aceita viver o romance com seu amado. O destino também é cruel com Angélica. Numa alusão ao que um dia ela fez à família de Marimar, a vilã sofre um grave acidente de carro e, numa imagem bizarra, aparece queimada no final totalmente deformada, antes de morrer. Vitória de Marimar!

“Maria do Bairro”, que pra mim é a mais simpática das três, sofreu muito nas mãos de Soraya Montenegro (Itati Cantoral). A namorada abandonada de Luis Fernando De la Vega (Fernando Colunga) não aceitou as provocações do rapaz e criou uma possessão de ódio por Maria. Porém, falando em vingança, talvez Maria do Bairro seja a que menos quis revidar tudo o que sofreu.


O que Soraya fez?

· Ela fez feitiço pra Maria cair doente;

· Ela forja a própria morte;

· Ela seduziu o filho de Maria para provocá-la;

· Ela colocou uma tarântula no jantar da enteada;

· Ela matou o marido;

· Ela surrou e matou a própria mãe;

· Ela sequestrou Maria para atear fogo nela.

Soraya era a caricatura da maldade e, assim como Paola Bracho de Gabriela Spanic, é quase um meme da internet. A idolatramos justamente por ela ser má e descontrolada. Agora, nenhuma, nenhuma vingança da trilogia das Marias foi tão bolada e assustadora quanto a dos “fósforos de Soraya”. Ela acende alguns fósforos na casa coberta por gasolina e, lentamente, vai apagando um a um para torturar sua rival e os telespectadores. A brincadeira da vilã não poderia acabar pior... Ao atear fogo na cabana com Maria do Bairro, Luis Fernando entra e salva a amada. Soraya, sozinha, começa a pegar fogo e morre enquanto grita seu ódio a todos.

As Loucuras de Soraya

Entre mortas e loucas, quem se salvou mesmo foi Thalia com suas Marias, que se tornaram personagens clássicas da televisão latina. E pra você? Qual é a melhor das Marias?

© 2019 - Conteúdo - Portal de Cultura e Arte de Brasília e do Brasil

 Editado por Josuel Junior e colaboradores       I     Web Designer: Caio Almeida

  • Instagram B&W

Para sugestão de pauta, envie release o e-mail:

falecomportalconteudo@gmail.com