QUEM NÃO CONHECE SEVERINA XIQUE-XIQUE? MORRE O FORROZEIRO GENIVAL LACERDA.

Um dos nomes que popularizaram o forró de duplo sentido e o humor na música nordestina morreu aos 89 anos, vítima da Covid-19. Relembre a carreira de Genival Lacerda.

Reprodução: Internet

Quem está na faixa dos 30 e 40 anos deve se lembrar das tardes de forró em que os adultos da família colocavam discos de Genival Lacerda pra tocar na radiola. Pais, mães, tios, tias, avôs e avós riam das canções que misturavam "causos" nordestinos e uma dose de saliência nas letras. Aliás, tinha-se muito pouco pudor em cantar as músicas que falavam abertamente de sexualidade em ritmo de forró matuto.


Genival Lacerda, assim como Luiz Gonzaga, ajudou na popularização do forró no sudeste e, posteriormente, em outros estados do Brasil. Obviamente, para isso, o cantor migrou para o Rio de Janeiro, onde circulou entre os escalões da cultura musical da época.


*Conhecido por todo o Brasil durante 64 anos de carreira, era um símbolo da cultura do Nordeste. O cantor e compositor nasceu em Campina Grande, na Paraíba, em 5 de abril de 1931. Chegou a trabalhar na cidade como radialista, mas fez a primeira gravação como cantor quando já morava em Recife, para onde se mudou em 1953. Genival gravou seu primeiro disco em 1956, um compacto duplo com "Coco de 56", escrito por ele e João Vicente, e o xaxado "Dance o xaxado", feito por ele com Manoel Avelino.


Ele gravou diversos álbuns e ficou conhecido pelo Nordeste como músico e radialista durante esta fase no Recife. O músico viveu no Rio durante o auge da popularidade do forró no Sudeste, e conviveu com outros artistas fundamentais do estilo como Dominguinhos e Luiz Gonzaga.*


No Rio e em São Paulo, muitas participações em programas de auditório do Chacrinha, Silvio Santos, Gugu e Faustão. Eram outros tempos. Tempos em que a música retratava (ainda mais) as mulheres como atrativo sexual. Hoje, certamente não se enquadrariam dentro do universo popular.

Algumas capas dos LP's - Arte sobre reprodução da internet

As capas de seus discos já reverenciavam esse misto de humor e sexualidade. Havia sempre a figura feminina como forma de validar a piada do homem velho em busca de mulheres novas. Uma máxima que, sabemos, só potencializou o patriarcado e essa objetificação sexual. No entanto, temos sim que lembrar que estavamos falando de 40 anos atrás Eu mesmo me lembro de ver as capas dos discos em minha casa e achar divertido, inusitado.... Um homem segurando um rádio de pilha com uma mulher ao seu lado. Hoje, a reflexão e o entendimento nos fazem compreender melhor que isso não era tão legal assim.


Genival gravava desde 1970, *mas o sucesso só chegou mesmo em 1975, com a música "Severina Xique-Xique", cujo verso "ele tá de olho é na butique dela" se tornou o mais popular do compositor. Graças a essa composição de sua autoria e João Gonçalves vendeu cerca de 800 mil cópias. Outras músicas se tornaram populares como "Radinho de pilha" (Ela deu o rádio) e "Rock do Jegue" (De quem é esse jegue?).


Em 2000, o cantor fez um show em comemoração aos seus 50 anos de carreira, contando com as participações especiais de Dominguinhos e de Osvaldinho do Acordeom. Ao longo de sua carreira, Genival gravou 70 discos e morou durante toda a sua vida em Campina Grande, na Paraíba. O músico deixa dois filhos João Lacerda e Genival Filho.


O artista foi internado no dia 30 de novembro de 2020, no Hospital Unimed I, na Ilha do Leite, na área central da capital pernambucana. Com Covid-19, ele foi levado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). No dia 4 de janeiro, Genival Lacerda teve uma piora no quadro de saúde, segundo o boletim divulgado pela família. Na quarta (6), a família havia iniciado uma campanha de doação de sangue para o cantor. Em 26 de maio de 2020, Genival Lacerda havia sofrido um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVC) e deu entrada no Hospital d’Ávila, na Zona Oeste da capital pernambucana. Recuperado, ele teve alta três dias depois de ser internado.


De acordo com a assessoria de imprensa do cantor, o corpo do artista deixa o Recife por volta das 13h e segue para ser sepultado em Campina Grande, ao lado do da mãe de Genival, Severina Lacerda. Genival deixou dez filhos, além de netos e bisnetos.


Apesar do falecimento de Genival, o lançamento da canção com o artista Zé Lezin, está mantido. "O artista faleceu, mas a obra dele vai ficar", disse a assessora da família, Manuela Alves. Ao todo, são 15 faixas, com um lançamento por mês. A divulgação acontece pelas redes sociais e por plataformas digitais.*


((Texto de Josuel Junior, do Portal Conteúdo, com *trechos extraídos dos Portais G1 E GShow.))

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...