top of page

MUSICAL "KAFKA E A BONECA VIAJANTE" NO CCBB DF

Musical adaptado de livro do escritor catalão Jordi Sierra i Fabra traz canções brasileiras e narra o encontro entre Kafka e uma menina que perdeu a sua boneca

Foto: Ale Catan

Kafka e a Boneca Viajante, é inspirado em uma curiosa história, que não surgiu dos sonhos intranquilos de Kafka, mas da imaginação popular. Conta-se que, enquanto caminhava por uma praça perto de casa, Franz Kafka (1883-1924), encontrou uma menina que chorava por ter perdido sua boneca. Sensibilizado, o escritor passou a escrever cartas da boneca para a menina, contando suas aventuras pelo mundo.

O musical, com direção de João Fonseca, dramaturgia de Rafael Primot e arranjos de Tony Lucchesi, estreia em 12 de outubro, dia do 23º aniversário do CCBB Brasília, e segue em cartaz até 15 de outubro, com sessões quinta e sexta, às 19h, sábado, às 16h e às 19h, e domingo, às 18h. O ingresso é gratuito e pode ser retirado em www.bb.com.br/cultura. A classificação indicativa é livre, no entanto, recomendada para maiores de 6 anos.

Idealizada pelo empreendedor cultural Felipe Heráclito Lima e produzida por Maria Angela Menezes e Amanda Menezes, a montagem reúne Alessandra Maestrini, André Dias, Carol Garcia e Lilian Valeska no elenco. Em circulação pelo Brasil com patrocínio da BB Seguros, a peça já foi apresentada no Rio de Janeiro, São Luís, Belo Horizonte e, depois de Brasília, seguirá para São Paulo. Nas cidades de Brasília e BH, o musical conta também com o patrocínio do Banco do Brasil.

Contada em livros, contos e peças pelo mundo, a bela história intriga até hoje. Uma vez que as cartas nunca foram encontradas e tampouco a suposta menina que fez um dos autores mais influentes do Século XX escrever as aventuras de sua boneca. A intrigante história inspirou o autor catalão Jordi Sierra i Fabra, cujo texto foi adaptado para o teatro por Rafael Primot e ganhou corpo por meio desse espetáculo musical.

Quando Rafael Primot foi procurado por Felipe, idealizador do projeto, com a ideia de adaptar o livro do Jordi, ele já conhecia a história das cartas. “O livro é curto, voltado ao público infantojuvenil e conta essa história de uma maneira muito simples. O desafio foi fazer um espetáculo mais profundo, levando-o para o universo adulto. Aí, resolvi trazer elementos da vida de Kafka para a história, como coisas que o escritor passou na sua infância, a relação conturbada com o pai, além de referências a seus livros”, explica Primot.

A narrativa não linear do musical reforça o ritmo ágil da montagem, alternando passado, presente e futuro, e alinhavada pela realidade vivida por Kafka (Sr. K interpretado por André Dias), e sua esposa Dora (Lilian Valeska), mais a menina Rita (Carol Garcia). O musical, atravessado pelo mundo ficcional das supostas cartas, dá vida à boneca Brígida (Alessandra Maestrini).

A metalinguagem é um recurso utilizado, como explica o diretor João Fonseca. “O jogo cênico proposto pela dramaturgia do Rafael é ágil e eu entendi que tínhamos que fazer uma brincadeira teatral, com os atores se arrumando em cena, se maquiando, lembrando que é um jogo, uma brincadeira. É um combinado, um faz de conta onde todos sabemos que não é real”. Na construção da mise en scène, destaca-se o trabalho de direção de movimento de Márcia Rubin, em especial para a personagem de Maestrini.

Um caso à parte é a trilha sonora, que se impõe como elemento dramatúrgico. No repertório, interpretado ao vivo e com maestria por todo o elenco, estão músicas de Caetano Veloso, Candeia, Cartola, Chico Buarque, Djavan, Lenine, Raul Seixas e Rita Lee. “Eu e o João [diretor] escolhemos canções que contribuíssem com a dramaturgia e ficassem orgânicas dentro do que a cena pede. Há ainda uma canção original, que eu e João compusemos, cantada pela menina num momento muito emocionante”, adianta Tony Lucchesi, diretor musical e arranjador.

A cenografia de Nello Marrese emoldura a passagem do tempo, seja a do fim da vida Kafka, da transformação da menina ou das viagens da boneca pelo mundo. Cubos móveis, um móbile, selos, carimbos e um fundo neutro, para valorizar o desenho de luz criado por Paulo César Medeiros, compõem a cena. Já os figurinos, assinados por João Pimenta, remetem à época dos últimos anos de vida do escritor, a década de 1920.

QUEM FAZ

Alessandra Maestrini - Brígida, a boneca / Carol Garcia - Rita, a menina / André Dias - Sr. K (Kafka), soldadinho de chumbo / Lilian Valeska - Dora, a gaivota / Idealização - Felipe Heráclito Lima / Dramaturgia - Rafael Primot / Direção - João Fonseca / Direção musical - Tony Lucchesi / Direção de movimento - Marcia Rubin / Programação visual - Carlos Nunes / Cenário - Nello Marrese / Iluminação - Paulo Cesar Medeiros / Figurino - João Pimenta / Visagismo - Everton Soares / Fotos - Ale Catan / Técnico de som - Bernardo Aragão / Técnico de luz - Renato Lima / Camareira - Eliana Ruth / Produção executiva - Isabela Reis / Direção de produção - Amanda Menezes / Produção local: Villa-Lobos Produções / Assessoria de imprensa: Território Comunicação - Rodrigo Machado / Coordenação de Produção - Maria Angela Menezes / Administração - Sevenx Produções Artísticas

PROGRAME-SE

Kafka e a Boneca Viajante

Gênero: Musical

Local: Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil Brasília

Endereço: SCES Trecho 02 Lote 22 – Edif. Presidente Tancredo Neves – Setor de Clubes Especial Sul

Temporada: de 12 a 15 de outubro de 2023

Horários: quinta e sexta, às 19h, sábado, às 16h e às 19h, e domingo, às 18h

Ingresso: gratuito, mediante emissão no site www.bb.com.br/cultura e na bilheteria física do CCBB Brasília

Duração: 80 minutos

Classificação indicativa: livre para todos os públicos, recomendado para maiores de 06 anos

Comments


bottom of page