• Josuel Junior - Editoria

MOSTRA DULCINA E A PROFISSIONALIZAÇÃO DE ARTISTAS DO DF

O Portal Conteúdo segue na produção de matérias que revisitam as primeiras edições da Mostra Dulcina, tradicional evento artístico-acadêmico do Distrito Federal. Neste texto, você verá um pouco das edições de 2006.

Acervo Pessoal - Josuel Junior

*Dulcina de Moraes foi uma das primeiras introdutoras do ensino da Educação Artística na universidade brasileira. Graças à ela, entre poucos pioneiros, o Teatro passou a fazer parte da sofisticada família do ensino superior do Brasil. O Parecer do Conselho Federal de Educação do MEC que instituía o "currículo mínimo" das carreiras universitárias de Ator, Diretor, Cenógrafo, Teórico de Teatro e Professor de Educação Artística na habilitação de Artes Cênicas, foi redigido a partir de documento apresentado por professores da FBT e da UniRIO, tendo Ducina como principal incentivadora. A FBT (Fundação Brasileira de Teatro), manteve no Rio, de 1955 a 1968, uma escola de teatro (a Academia de Teatro da FBT), em nível de 2º grau, na qual estudaram centenas de alunos, como Rubens Corrêa, Irene Ravache, Isolda Cresta e Ivan de Albuquerque.


*Ao transferir a sede da FBT para Brasília, construiu com projeto de Oscar Niemeyer o "novo" Teatro Dulcina e a primeira Faculdade de Artes efetivamente autorizada e reconhecida no país, à época. A FADM - Faculdade de Artes Dulcina de Moraes foi autorizada em 1980, com nove cursos superiores, passando a funcionar regularmente no 2º semestre de 1981. De 1984 a 1996**, graduou e licenciou quase dois mil bacharéis e licenciados em Artes Cênicas, Artes plásticas e Artes musicais, no universo das Artes e da Educação Artística. A maioria de seus alunos, hoje, por concurso, ocupa fundações de magistério no DF e em muitas outras cidades do país, além de dezenas de seus ex-alunos serem dos mais importantes e atuantes artistas cênicos de Brasília e do Brasil, no segmento de Teatro e Televisão.


*/**O texto acima teve como base o original de 08 de setembro de 1995 (Mensagem aos alunos, na volta às aulas, passando o Dia da Pátria), anexado no Livreto Seminário 100 anos de Dulcina de Moraes, impresso e distribuído em 2008.


Na matéria passada, falamos da 1ª e 2ª Edições da Mostra Dulcina. Agora, passaremos a 3ª e 4ª, do ano de 2006.


III MOSTRA DULCINA


A terceira edição da Mostra Dulcina foi realizada em 2006 e contou com orientação de Adriana Lodi e Francis Wilker. A direção de produção foi assinada por Daniela Gonçalves e a produção executiva contou com a própria Daniela, Nalva Sysnandes e Robert Litig. na recepção de público, Kika Moraes e nomes cativos da família Dulcina na época, como Celeste Silva, Galdino Rebouças, Tinaiana Costa, Igor Rasta e Thiago Jorge.


"Estive presente nas primeiras mostras. Estava no elenco da 'Ratoeira" e desde o primeiro projeto ate as montagens de final de curso, estar à frente da produção da mostra, ao mesmo tempo que estava na produção dos espetáculos, junto com Dani, Nalva e tantos outros, era um grande desafio... Muito do que aprendi nas produções das mostras e dos espetáculos que fiz me serviram de base para as produções que faço hoje." - ROBERT LITIG.

Marat Sade, Ruído, A Santa, A Puta: Autores não Identificados/ Aleluia Palmital: Clarissa Borges

Seguindo o exemplo da edição anterior o número de apresentações aumentou. A 3ª Mostra Dulcina contou com nove espetáculos. De acordo com a ordem de apresentação, Túllio Guimarães adaptou e dirigiu "Marat Sade - Perseguição e Assassinato de Jean-Paul Marat"; Cláudia Santoro dirigiu "Ruído", livre adaptação de "Primeiro Amor, de Beckett; Graça Veloso dirigiu "Aleluia Palmital", que mostrava fatos e consequências do golpe de 64; Bárbara Tavares dirigiu "Refletindo-se", baseado nas obras "Bonitinha, mas ordinária" e "Os Sete Gatinhos", de Nelson Rodrigues. Alessandro Brandão ficou responsável por "A Santa, a Puta, a Porca ou Inspiração Nordestina", baseado na obra de Ariano Suassuna.


"A Mostra não é uma 'amostra' medicinal ou farmacológica. É um exercício de linguagem de pessoas que recriam novas pessoas, para outras que as vêem, escutam e, com elas, passam a pensar pelo olhar, pelo ouvir e por se emocionar. Não é fácil nos dias de hoje, em que o virtual é cada vez menos humano, chamá-los - senhores e senhores espectadores e espectadoras - ao espaço do Dulcina e do Conchita para assistirem a um espetáculo (ato de espera), num ritual de inteligência imaginária. Palmas para as almas que irão nascer atrás da cortina, no Paraíso do Palco!" - B. DE PAIVA

Blasted: Não Identificado/ O Pequeno Circo Mínimo: Dalton Camargos/ Revolução das Mulheres: Reinaldo Ferrigno/ Casa Sem Número: Não Identificado

Seguindo as apresentações de 2006, temos "Blasted", encenado por Ignácio Amaral e orientado por Graça Veloso;"O Pequeno Circo Mínimo", baseado em histórias de Augusta Faro e dirigido por Adriano e Fernando Guimarães; "Revolução das Mulheres", peça dirigida por Adriana Lodi e inspirada na obra homônima de Aristófanes; "Casa sem Número", baseada na obra de Pedro Bloch e com direção de José Milton de Oliveira


IV MOSTRA DULCINA


Já a quarta edição da Mostra, realizada no primeiro semestre de 2007 teve uma quantidade menor de espetáculos. Por carecermos de comprovantes impressos dessa edição específica, não citaremos a equipe produtora. Mencionaremos três espetáculos apresentados na ocasião que estão catalogados no livro Metamorfoses da Cena - Inventário Cênico da Mostra Dulcina.

A comédia dos Erros: Dalton Camargos/ Alice em Brasillis: Clarissa Borges/ Bodas de Sangue: Reinaldo Ferrigno

Foram apresentados os espetáculos "Alice em Brasillis Brasil e o País das Maravilhas", dirigido por Bárbara Tavares; "Bodas de Sangue", com direção de Adriana Lodi e "A Comédia dos Erros", com direção de Adriano e Fernando Guimarães. O espetáculo "Bodas de Sangue" marca um encontro teatral relevante em Brasília... o dos atores Alana Ferrigno, Luciana Amaral, Tiago Nery e Carlos Valença, que anos depois formaram a Estupenda Trupe na capital. O Espetáculo "A Comédia dos Erros", dos Guimarães, ganhou nova versão em 2010 e foi apresentado no Festival Cena Contemporânea.


"Entrei na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes no 1º Semestre de 2005, semestre em que a Mostra Dulcina foi criada. Naquele semestre, criamos uma peça em homenagem à Dulcina - Relicário - espetáculo onde pude conhecer a mulher que dava nove à instituição e que, desde então, se tornou meu norte de garra e profissionalismo.Na faculdade, todo semestre tínhamos que encarar um novo autor, uma nova estética, o corre-corre de uma nova produção, cenário, figurinos. Participar de um evento como esse, orientado por um professor que está no mercado de trabalho, deixa claro o ritmo de produção profissional." - TIAGO NERY


Na próxima matéria, você poderá relembrar as edições de nº 5 e 6 da Mostra Dulcina (2007), período que marca um retorno ascendente do público aos Teatro Dulcina e Conchita, mostrando o início de uma era badalada a cada final de semestre.


*As entrevistas, comentários e fotos presentes nesta série de reportagens tiveram como base as 112 páginas do livro "Metamorfoses da Cena - inventário Cênico da Mostra Dulcina e Festival Dulcina de Cenas Curtas", 2010, o Catálogo Especial "Seminário 100 anos de Dulcina de Moraes" (2008) e a ferramenta "Fale Conosco" do Portal Conteúdo. As opiniões expressas nos artigos usados na matéria, tanto como reprodução integral, quanto em trechos parafraseados, são de responsabilidade exclusiva de seus autores.


Continue acompanhando as matérias de arte e cultura do Portal Conteúdo!



© 2019 - Conteúdo - Portal de Cultura e Arte de Brasília e do Brasil

 Editado por Josuel Junior e colaboradores       I     Web Designer: Caio Almeida

  • Instagram B&W

Para sugestão de pauta, envie release o e-mail:

falecomportalconteudo@gmail.com