ESPETÁCULO "MISERY", COM MEL LISBOA, MARCELLO AIROLDI E ALEXANDRE GALINDO

Com direção de Eric Lenate, o espetáculo é uma adaptação do romance de Stephen King para os palcos e está em cartaz no Teatro Porto Seguro.

O romance Misery – Louca Obsessão, escrito nos anos 1980 pelo autor norte-americano Stephen King, um dos autores mais traduzidos e adaptados para o cinema e teatro no mundo inteiro, ganhou versão para o cinema assinada por William Goldman. Traduzida e adaptada para o português por Claudia Souto e Wendell Bendelack, Misery ganha montagem cênica que chega ao Teatro Porto Seguro. A produção e realização é de Bruna Dornellas e Wesley Telles, da WB Produções.


A peça conta a história de Paul Sheldon (Marcello Airoldi), um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados pela personagem Misery Chastain. Após sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira Annie Wilkes (Mel Lisboa). A simpática senhorita é também uma leitora voraz de sua obra e se autointitula principal fã do autor.


Misery teve duas outras montagens nacionais para o teatro: a primeira, de 1994, chamava-se Obsessão, foi dirigida por Eric Nielsen e tinha como o casal protagonista Débora Duarte e Edwin Luisi. Em 2005 foi a vez de Marisa Orth e Luís Gustavo interpretarem a peça sob direção do espanhol Ricard Reguant.


A montagem de Lenate, no entanto, é a primeira adaptação direta do texto de William Goldman. Entre as versões internacionais, destacam-se a montagem da Broadway protagonizada por Bruce Willis e Laurie Metcalf em 2015 (por sua interpretação, Laurie foi nomeada para o Tony Award de Melhor Atriz de Teatro) e a versão mexicana de 2011, que conta com o renomado ator Demián Alcázar e Itatí Cantoral. Ao todo, Misery já foi montado para o teatro em dez países.


No cinema, uma versão de 1990 tornou-se uma das adaptações mais conhecidas a partir da obra de King e consagrou-se como sua terceira maior bilheteria, atrás apenas de The Green Mile e 1408. Kathy Bates ganhou o Globo de Ouro e o Oscar de Melhor Atriz por sua performance. O filme teve direção de Rob Reiner e James Caan interpretou Paul Sheldon.


A MONTAGEM


Misery já foi adaptado para o teatro a partir do roteiro de Goldman em dez países, entre eles Alemanha, Áustria, Nova Zelândia e Canadá.


Lenate, que também assina a arquitetura cênica e os adereços, optou por um cenário circular, que esconde algumas partes sempre que mostra outras, uma transformação cênica que causa uma certa sensação de ilusão de ótica no público, tudo isso com o auxílio do desenho de luz de Aline Santini, figurinos e visagismo de Leopoldo Pacheco e Carol Badra, trilha sonora, sonoplastia e engenharia de som de L. P. Daniel e direção audiovisual de Júlia Rufino.


A direção de produção desta montagem é de Bruna Dornellas e Wesley Telles e a assistência de direção é de Mariana Leme.


Este espetáculo é patrocinado pela ArcelorMittal e Porto Seguro através da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério do Turismo.


QUEM FAZ

Texto Original: Stephen King. Dramaturgia: William Goldman. Tradução/Adaptação: Claudia Souto e Wendell Bendelack. Elenco: Mel Lisboa, Marcello Airoldi e Alexandre Galindo. Direção Artística: Eric Lenate. Direção De Produção: Bruna Dornellas e Wesley Telles. Desenho De Luz: Aline Santini. Arquitetura Cênica e Adereços: Eric Lenate. Figurinos: Leopoldo Pacheco e Carol Badra. Visagismo: Leopoldo Pacheco. Assistente de Figurino e Visagismo: Bruna Recchia. Trilha Sonora, Sonoplastia e Engenharia De Som: L. P. Daniel. Direção Audiovisual: Júlia Rufino. Assistente de Iluminação: Vinicius Andrade Direção de arte projeções: Sylvain Barré Fotos: Leekyung Kim. Criação da Arte: Leticia Andrade. Assistência de Direção: Mariana Leme. Stand in: Juliana Mesquita. Produtor Assistente: Tiago Higa Assistência de Desenho de Luz e Operação Técnica: Clara Caramez. Assistência de Engenharia de Som e Operação Técnica: Rodrigo Florentino. Assistência de Vídeos e Operação Técnica: Vj Alexandre Gonzalez. Direção Cenotécnica: Evas Carretero e Rafael Boesi. Serralheria: José da Hora. Designer Gráfico: JLStudio. Mídias Sociais: Agência Taga. Coordenação Administrativa: Letícia Napole. Assessoria Jurídica: PMBM Advocacia. Assessoria Contábil: Leucimar Martins. Gestão de Patrocínio: Mina Cultural Consultoria. Marketing Cultural e Assessoria de Mídia: R+Marketing. Assessoria de Imprensa: Pombo Correio. Apresentado Por: Ministério do Turismo. Patrocínio: ArcelorMittal e Porto Seguro. Produtor Associado: WB Entretenimento Realização: WB Produções.


Produção original da Broadway produzida pela Warner Bros. Theatre Ventures em associação com Castle Rock Entertainment, Liz Glotzer, Mark Kaufman, Martin Shafer e Raymond Wu.


Estreia mundial produzida em Bucks County Playhouse, New Hope, PA Jed Bernstein, diretor de produção.

PROGRAME-SE

Estreia dia 4 de fevereiro de 2022 no Teatro Porto Seguro em São Paulo (SP).

Temporada até 27 de março de 2022

Sexta a domingo (sextas e sábados, às 20h e domingos, às 19h)

As sessões aos domingos contam com intérprete de Libras


Ingressos: Plateia: R$ 80 / Frisas e balcão: R$ 60

Classificação: 14 anos

Duração: 150 minutos

Gênero: Suspense


TEATRO PORTO SEGURO

Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo.

Telefone (11) 3366.8700

Bilheteria:

Aberta somente nos dias de espetáculo, duas horas antes da atração.

Clientes Cartão Porto Seguro têm 50% de desconto.

Clientes Porto Seguro têm 30% de desconto.

Vendas: www.sympla.com.br/teatroportoseguro

Capacidade: 356 lugares (70% da capacidade)

Formas de pagamento: Cartão de crédito e débito (Visa, Mastercard, Elo e Diners).

Acessibilidade: 10 lugares para cadeirantes e 5 cadeiras para obesos.

Estacionamento no local: Estapar R$ 20,00 (self parking) - Clientes Porto Seguro têm desconto.


Para acessar o Teatro Porto Seguro, será necessário apresentar o comprovante de vacinação contra a Covid-19 original ou digital (disponível nas plataformas ConectSUS, e-SaúdeSP e Poupatempo), conforme os protocolos das autoridades sanitárias. Além disso, é obrigatório o uso de máscaras antes, durante e após o espetáculo.

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...