EM NOVEMBRO, O PROJETO PERFORMER LAB APRESENTA "VISAGEM"

Visagem é o novo trabalho de Gustavo Araújo e faz parte do projeto Performer Lab, que une teatro, performance, fotografia e audiovisual. No dia 14 de novembro, três novos vídeos serão disponibilizados para o público.

Na próxima etapa do Projeto “Performer Lab”, a proposta da direção trabalha com as memórias e os rastros que certas coisas deixam como marca de sua presença. O rastro contém em si as noções cicatrizes de filiação, de aliança, de poder da palavra e da necessidade de narração. Através de vídeos curtos, o público poderá conhecer o processo de preparação de um ator para a cena e versões cênicas feitas para o palco de um teatro e, também, para ambiente externo. Nesta fase da ação, três vídeos serão disponibilizados ao púbico: Rastros, memórias e processo criativo, A Moça Caetana - A Morte Sertaneja e A Morte - O Sol do Terrível. Além disso, o público poderá conferir fotosperformances que complementam o projeto no instagram @performerlab. É nas redes sociais que são revelados os bastidores do processo de construção cênica, além de postagens artísticas por meio de imagens e vídeos.


A provocação presente no trabalho foi no sentido de revisitar a memória corporal e as lembranças do espetáculo “Presépio de Hilaridades Humanas”, que completa, neste ano, 20 anos de estreia.


“Presépio de Hilaridades Humanas” nasceu 2001 na Universidade de Brasília, fruto da disciplina de Introdução à Direção do curso de Artes Cênicas. O texto é uma adaptação do último ato da peça “A Pena e a Lei” e mais 5 sonetos, todos do Ariano Suassuna. A montagem foi concebida pelas diretoras Bárbara Tavares e Caísa Tibúrcio, com texto de Marcus Vinícius e trilha sonora de Daniel Santiago. A adaptação narra a saga de sete personagens típicos de Suassuna que se descobrem mortos diante do julgamento de Deus e da Morte.


“Um momento muito especial que nós todos dessa trupe partilhamos, foi quando apresentamos o espetáculo em Recife, pelo Palco Giratório Sesc, e fomos recebidos pelo Ariano Suassuna em sua casa para um bate-papo, uma prosa muito acolhedora e especial. Para completar essa felicidade, tivemos o privilégio do Ariano nos assistir em Caruaru, já que a temporada em Recife já tinha terminado. Uma das coisas que foi muito emblemática no espetáculo foi o riso diante do trágico porque o mestre Ariano tem um olhar muito peculiar e especial sobre a Morte, chamada por ele de Moça Caetana”, comenta o artista,

O elenco foi recebido por Ariano Suassuna em sua casa.

Acessar essas memórias cênicas que falam do tema da morte 20 anos é um desafio para Gustavo, que explica:


“Foi um reencontro com sentimentos de perda, de saudade. Um reencontro com as duas amigas criadoras. Uma na direção de cena, a Bárbara e a outra na direção musical, a Caísa. A gente conversando, partilhando memórias e, também angústias da pandemia, e ensaiando... ensaiando remotamente. Foi a partir do mergulho nessas reminiscências, nos rastros e cicatrizes deixadas em nossos corpos, dessa aventura Teatreira, que construímos duas cenas, baseadas em dois sonetos que fizeram parte da montagem do Presépio”.


Revisitar um espetáculo 20 anos depois aguçou a vontade da equipe artística criadora em remontar “Presépio de Hilaridades Humanas” em 2022.


COMO FUNCIONA A PROPOSTA


“Performer Lab” é um laboratório de experimentos cênicos e performativos solos registrados por uma câmera, baseado em uma dramaturgia ou não, sob uma direção de artistas convidados e um roteiro criado de forma colaborativa, em determinado tempo e locação. Dessa interação de elementos, surgem os processos criativos que abrangem narrativas documentais, bem como narrativas ficcionais fruto de diálogos estabelecidos entre linguagens: audiovisual, fotografia, performance e teatro.

Os ensaios são registrados para que o público conheça os bastidores da criação.

O embrião do projeto surgiu em abril de 2020, período em que o artista pretendia retomar sua jornada artística após um hiato de anos. A intenção era que essa retomada fosse no palco, em um espetáculo. Entretanto, veio a pandemia e os teatros precisaram pausar suas atividades, impossibilitado a ação em modo presencial. Diante desse cenário, o teatro vem se adaptando a essa nova realidade e produzindo conteúdos audiovisuais para internet, tais como espetáculos online, laboratórios de montagem, ensaios remotos, lives, filmes, workshops e outros, experimentando uma fronteira híbrida entre linguagens e gerando um produto de sobrevivência artística nesse contexto.


O grande trunfo do projeto é revelar ao público como são construídas as cenas, desde o processo preparatório ao produto final em si. No caso da etapa "Visagem", serão disponibilizados três vídeos que complementam a narrativa, revisitando a obra de Ariano Suassuna. A cada nova etapa, novos vídeos e fotos serão abertos ao público.


SOBRE O CRIADOR


Gustavo Araújo é artista e agente cultural atuante criativamente em diversos segmentos, principalmente no audiovisual e nas artes cênicas. Ao longo dos anos exerceu funções de ator, performer, produtor, roteirista e conteudista para diversos formatos. Possui formação em bacharelado em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília/UnB (2003) e estreou no teatro em 1995 como assistente de produção e direção do espetáculo “Disfarça e Chora”, bem como do curta-metragem/16mm de mesmo nome, em que atuou.


Ao longo dos anos, participou de diversos espetáculos teatrais, como “O Exercício” (2001), sob orientação do Professor Doutor Fernando Villar/UnB; “Susan Glaspel: entre nós/entre linhas” (2001), com direção de Fernando Villar; “Pluft O Fantasminha” (2001 e 2002), com direção de Patrícia Marjorie e Lidiane Araújo e, claro, o aclamado “Presépio de Hilaridades Humanas” (2001, 2002 e 2003), com direção de Bárbara Tavares e Caísa Tibúrcio, entre outras produções no DF.


Na publicidade audiovisual, participou de peças publicitárias, com veiculações regionais e nacionais e, no cinema, atuou em curtas e longas-metragens, como “A Concepção” (2005), de José Eduardo Belmonte; “Dois Filhos de Francisco” (2005), de Breno Silveira e, também, o premiado curta-metragem “Sequestramos Augusto César” (2004), de Guilherme Campos, onde teve participação especial.


Em 2020, em plena pandemia, após um hiato de alguns anos, retoma sua pesquisa e jornada artística com intuito de explorar diálogos poéticos e, também, o hibridismo entre as linguagens do audiovisual, da fotografia, da performance e do teatro. Os filmes frutos dessas narrativas estão sendo e exibidos desde setembro de 2021, em comemoração do Dia Nacional do Teatro, no Canal do PERFORMER LAB (YouTube e Instagram).


PROGRAME-SE

Visagem – Projeto Performer Lab

Onde assistir: Youtube. No dia 14/11, a partir das 20h, os vídeos serão disponibilizados na seguinte ordem:

Rastros, memórias e processo criativo

A Moça Caetana - A Morte Sertaneja

A Morte - O Sol do Terrível

Classificação: Livre

Acesso Gratuito


Conheça também os perfis de Instagram:

@performerlab

@ogustavoaraujo

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...