BUONASERA, NATASHA! NOVELA "VAMP" ESTÁ DE VOLTA!

Clássico de Antonio Calmon está de volta em HD e na íntegra. A novela "Vamp" fez a festa entre crianças e adolescentes. Como será revê-la hoje, depois de quase 30 anos?

Ney Latorraca e Claudia Ohana - Globo

O ano era 1991 e uma novela de aspecto sombrio iria substituir a colorida "Lua Cheia de Amor", trama do horário das sete que estava chegando ao fim. O anúncio prometia muito agito, diversão e mistério. "Vamp" estreou causando estranhamento no público, mas logo isso mudou.


A novela contava a triste história de Natasha (Claudia Ohana), uma cantora que não conseguia decolar na carreira. Num dia de ensaio, ela comenta que venderia a alma ao Diabo para conseguir sucesso. É nesse momento que aparece Conde Vlad (Ney Latorraca) e realiza o desejo da jovem, que se transforma numa super estrela do rock. O tempo passa, Natasha já é famosa e, junto do empresário Gerald Lamas (Guilherme Leme), lamenta o fato de ser reconhecida, mas carregar consigo a maldição de ser uma vampira.


Natasha não morde, Natasha não gosta de maldades, dorme quietinha seu caixão hi-tech e, para se curar de uma anemia (justamente por não se alimentar de sangue), recebe transfusões diariamente. Até que o anjo Rafael (Marcos Breda) diz pra ela que, pra se curar da maldição, ela precisa ir até o Brasil, num lugar Armação dos Anjos. Lá, ela precisa encontrar um homem chamado Rocha, que saberá onde está a Cruz de São Sebastião - a única arma capaz de derrotar o Conde Vlad.


A BAHIA DOS ANJOS

Na Armação dos Anjos, o Capitão Jonas Rocha (Reginaldo Faria) tem cinco filhos e é dono da pensão mais famosa da cidade. Jonas conhece Carmen Maura (Joanna Fomm), uma escritora fascinada por histórias de mistério e que deseja escrever uma monografia sobre a Armação. Carmen Maura também tem cinco filhos e, ao se casar com Jonas, o núcleo adolescente da trama está montado! Obviamente, os jovens namoram entre si, mesmo se tornando irmãos, como é o caso de Lena (Daniela Camargo), filha de Carmen Maura, e Lipe (filho de Jonas). Eles se apaixonam, mas o amor do casal é abalado pela chegada de quem? De Natasha!


Quando a estrela do rock chega à cidade, mexe com a vida de todo mundo, como do casal de circenses Simão (Evandro Mesquita) e Jezebel (Bete Coelho). Eles vão trabalhar como empregados de Natasha e Gerald assim que ela decide morar na Armação. Simão e Esmeralda passam maus bocados porque não têm condições de bancar as despesas do circo onde vivem, pois o mesmo está no terreno que pertence ao mafioso empresário Matoso (Otávio Augusto).


Matoso é dono ta lanchonete, dono da rádio, do terreno do circo... Pai de Matosão (Flavio Silvinho) e Matosinho (André Gonçalves), ele vira um vilão divertido que se apaixona por Mary (Patrícya Travassos), a cunhada do mal de Jonas Rocha.


A novela conta também a história de Jurandir (Nuno Leal Maia), um ladrão que se refugia na cidade para se livrar da perseguição de outro mafioso da história, o bandido Cachorrrão (Paulo Gracindo). Para despistar Cachorrão, ele toma o papel de um padre que chegaria no local. O comportamento liberal desse Padre Garotão conquista as crianças e gera especulação dos adultos e do párolo local, o simpático Padre Euzébio (Oswaldo Louzada). Quem também simpatiza com o Padre Garotão é o Pai Gil (Toni Tornado), representante do Candomblé. Pai Gil e sua filha, Branca (Aída Leiner), sabem que há muitos anos uma maldição rondou a Bahía dos Anjos. O misticismo desse núcleo é bem importante no andamento da história, assim como o núcleo de humor dos caçadores de vampiros Mrs. Alice Penn Taylor (Vera Holtz) e Augusto Sérgio (Marcos Frota).


A DESISTÊNCIA DA SERIEDADE

No início, "Vamp" foi concebida para ser algo meio "noir". O que acontece... As histórias iniciais não geraram risos e diversão aos telespectadores mais tradicionais. Foi nesse período que as telespectadoras donas de casa abandoraram a novela por desinteresse. No entanto, os filhos dessas telespectadoras gostaram da proposta. Os autores perceberam isso e, o que iria fazer a história chegar ao ápice no fim da trama, foi adiantado. Na metade da novela, o clima trash vampiresco ganhou força. Muitos produtos licenciados, como álbuns de figurinha, chicletes, dentaduras de plásticos ganharam o comércio e auxiliaram na popularização da novela.

Vlad morde Gerald, Natasha e o produtor musical Giron (Felipe Pinheiro); Gerald morde Mary Matoso, Lipe e Scarlet (Bel Kutner). Mary morde Matoso e Matosão. Vlad morde Matosinho e aí a epidemia de vampirismo toma conta da Armação e a novela entra, assumidamente, numa linha de comédia debochada. Os atores olhavam pra câmera e comentavam as cenas... Os efeitos especiais ficavam cada mais mais artesanais e o riso pela ridicularização se tornou o ponto alto da novela. O aspecto "noir" virou uma comédia meio sem lógica, mas que divertia mesmo assim.


ERROS, MUITOS ERROS

"Vamp", do meio pro fim, desiste da coerência. Personagens morrem e voltam por qualquer motivo, regras novas entram e a história inicial se perde. Novas personagens são criadas para justificar os Ney revela que saiu da novela algumas vezes por incompatibilidade de interesses junto à equipe. As saídas e voltas de Conde Vlad na história confundem o público e enfraquecem a narrativa. Quase todo mundo vira vampiro e é preciso ficar atento para lembrar o mote inicial: O desejo de Natasha de encontrar a Cruz de São Sebastião para acabar com Vlad. Isso acontece? Acontece... mas, antes:


1 - Natasha pensa que o Capitão Jonas Rocha é o "homem chamado Rocha" que ela precisa encontrar;

2 - Natasha se apaixona por Lipe Rocha, filho de Jonas, o que complica a busca pela cruz;

3 - O anjo Gabriel vai e volta e a gente não sabe mais se ele confunde ou ajuda a contar a história;

4 - O homem chamado Rocha não é nem Jonas, nem Lipe. É Daniel Rocha (Jonas Torres), que surge na metade da novela querendo se vingar da morte de seu pai, Otávio Freire, que é o dono do corpo que o Conde Vlad assumiu para continuar vivo (uma justificativa beeem mal amarrada);

5 - Natasha e Vlad vão morar na lua! Sim! Em determinado ponto a história, tudo fica tão confuso, tão confuso, que as duas personagens vão morar na lua. Só vendo pra acreditar;

6 - A batalha de Xadrez - No momento em que humanos e vampiros duelam, acontece um jogo de xadrez infinito pra ver quem ganha e quem perde. Isso se arrasta por vários capítulos. A proposta, cenicamente falando, era genial, pois usava o surrealismo para explicar a história, mas foi utilizada como forma de ir enrolando o público;

7 - As inúmeras magias de Mary Matoso em seu caldeirão de bruxa. Isso enrola a trama de tal maneira que o núcleo passa a ser uma espécie de desenho animado. É divertido, mas passa da conta.


VÁRIOS FINAIS, NENHUM FIM

"Vamp" chega ao seu ápice na batalha contra os vampiros. É o melhor momento da trama. Carmen Maura é mordida por Vlad, Mrs. Penn Taylor também vira vampira e as crianças unidas tentam destruir a galera do mal. O castelo mal assombrado de Vlad e os zumbis nas ruas dão um gás incrível na reta final. É nesse momento que Conde Vlad vai ao cemitério e ressuscita os mortos de suas tumbas como no clipe Thriller, de Michael Jackson. É o ápice! Realmente muito boa essa fase, só que...


1 - A história da cruz se confunde toda;

2 - Na penúltima semana, Daniel Rocha, mata Conde Vlad com uma flecha feita com a cruz de São Sebastião. Uma cena incrível acontece, mostrando a morte do Vlad e de todos os vampiros. Genial mesmo... não fosse o fato de ter acontecido na PENÚLTIMA SEMANA.

3 - Não resta mais história pra contar. Os vampiros morreram, a cidade voltou ao normal e a novela sucessora, "Perigosas Peruas" só estrearia 10 dias depois. Isso fez com que a última semana fosse sem graça, sem história pra contar, sem aventura, com novas histórias totalmente irrelevantes, como a chegada das mães de Matosão e Matosinho (Maria Zilda e Cristina Pereira, respectivamente). A novela acabou antes de seu fim.

4 - No último capítulo, descobrimos que Conde Vlad, maaaais uma vez, não morreu. Não morreu nem depois de ter levado a flechada do outro homem chamado Rocha. A busca pela cruz pareceu em vão, pois, se Vlad não morreu, pra que todo o circo em volta dela? Aí descobrem que pra matar mesmo, de verdade, ele teria que receber uma estaca de madeira no peito. E lá vai o Capitão Jonas Rocha dar a estacada. Vlad morre e o desfecho das personagens acontece.


VAMP PASSOU QUANTAS VEZES?

Aqui em Brasília, nos anos 1980, 1990 e 2000, era comum ter reprises de novelas de quatro em quatro anos no período das eleições municipais. Como Brasília não tem município, por estar no Distrito Federal, na hora dos horários políticos obrigatórios, que duram quase dois meses, repetia-se uma novela ou minissérie. "Escrava Isaura", "O Portador", "Sex Appeal", "O Fim do Mundo", "As noivas de Copacabana", "A Casa das Sete Mulheres", "A Muralha" e "JK" passaram nesse formato, entre o Jornal Nacional e a novela da noite. No entanto, muita gente jura que "Vamp" passou três vezes na TV aberta, mas isso nunca aconteceu.


1991 - A novela foi exibida no horário das sete;

1993 - A novela foi reexibida no horário das cinco, numa reprise de verão.


O elenco infanto-juvenil

A teoria que tenho é a de que "Vamp" tem o elenco muito parecido com o de "Top Model". O núcleo infantil/adolescente é praticamente o mesmo, além de outros atores, como Nuno Leal Maia, Vera Holtz, Evandro Mesquita e Zezé Polessa... Isso, para o telespectador que era criança, pode confundir a memória afetiva, pois veja bem:


1989/1990 - "Top Model" passa no horário das sete;

1991 - "Top Model" passa em menos de 8 meses no Vale a pena ver e novo;

1991 - Assim que "Top Model" acaba no Vale a pena, "Vamp" estreia à noite;

1993 - "Vamp" passa no horário das cinco.


Percebe que, por mais que as novelas tenham linhas estéticas e narrativas diferentes, são os mesmos atores contracenando. Daí vem essa sensação de que "Vamp" passou muitas vezes... e nem foi. Foram duas vezes na TV aberta e uma única vez no Canal Viva, em 2011.


"Vamp" foi a primeira novela brasileira a virar uma peça de teatro. "Tieta", "Dona Flor e seus dois maridos", "O Bem Amado" e outros textos vieram dos livros e seguiram para o teatro e para a televisão. Já com "Vamp - o musical" o caminho foi oposto. A novela é que gerou o espetáculo protagonizado por Claudia Ohana e Ney Latorraca entre os anos de 2017 e 2018.


Agora,o púbico poderá ver e rever a trama quando quiser na plataforma Globoplay, que vem resgatando clássicos da teledramaturgia brasileira. É uma novela inesquecível e quem assistiu guarda boas lembranças. E pra você, vale a pena ver de novo?

1/3