TRÊS ESPETÁCULOS NUM MESMO PROJETO

Transmissão dos solos autorais femininos “Criatura, Uma Autópsia”, “Inventário” e “Quebra-Cabeça”. Três espetáculos solo, três atrizes-autoras: Bruna Longo, Erica Montanheiro e Camila dos Anjos.

Arte sobre fotos de Danilo Apoena

Idealizado por Bruna Longo e contemplado pela 11ª Edição do Prêmio Zé Renato de apoio à produção e desenvolvimento da atividade teatral para a cidade de São Paulo, o projeto Anônimo Muitas Vezes Foi Mulher traz três espetáculos autorais femininos (Criatura - Uma Autópsia, Inventário e Quebra-Cabeça) em transmissão gratuita pelas plataformas de quatro teatros da capital: Cacilda Becker, Arthur Azevedo, João Caetano e Alfredo Mesquita. Os três espetáculos foram gravados no palco do Espaço Cia. da Revista pela mesma equipe de vídeo (Bruta Flor Filmes), composta unicamente por mulheres com olhares e talentos únicos na construção de uma narrativa áudio visual e teatral.


O mais antigo registro de autoria declarada em um texto é um poema sumério de 2300 a.C. Muitos filósofos debruçaram-se sobre a questão da importância da autoria para a apreciação de uma obra de arte. Até o Renascimento, quando a perseguição a livros heréticos exigia identificação de uma identidade a ser condenada, a ideia de autoria era considera irrelevante. Michel Foucault considerava a noção do autor como um momento crucial da individualização na história das ideias mas, no final da década de 60, propunha uma volta à irrelevância da autoria, o que ele chamava de desaparecimento do autor, como um fenômeno em que já não importa quem escreve, já que a obra basta por si mesma. "Que importa quem fala?" questionou em 1969. A pergunta sugere que o nome do autor parece se apagar em proveito de uma coletividade. No entanto, Foucault reconhece no indivíduo o lugar originário da escrita. O nome do autor é um nome próprio e traz com ele sua história pessoal, o empirismo que criou a própria obra. Quando filósofos questionam e de certa forma celebram o desaparecimento do autor o fazem certamente sem levar em conta os privilégios do sujeito e ignorando todas as minorias cujas vozes autorais foram suprimidas e oprimidas.


Criatura, Uma Autópsia, espetáculo de Bruna Longo, fricciona a vida de Mary Shelley e sua obra mais famosa, Frankenstein. Mary Shelley publicou-o de forma anônima em 1818. Era inconcebível para a época uma mulher (ainda mais uma jovem mulher de 18 anos) ter escrito uma obra que fugia do padrão clássico de literatura para mulheres. O livro foi atribuído a seu parceiro, o célebre poeta Percy Bysshe Shelley, visto a dedicatória a William Godwin, pai de Mary, de quem Shelley era discípulo. Mesmo com a edição de 1831 trazendo o nome da autora e prefácio sobre a origem do romance, ainda hoje existem teorias que questionam sua autoria. Mary passou boa parte de sua vida definida pelos que a cercavam. Sobrenomes famosos que ela carregou, primeiro como filha de Mary Wollstonecraft e William Godwin, depois como companheira de Shelley. A atriz-criadora Bruna Longo, durante o processo de pesquisa e ensaios para o espetáculo viu-se mergulhada nesses questionamentos. Frankenstein é um romance sobre o ato da criação e sobre busca por identidade e pertencimento. Os questionamentos da atriz encontram ressonância nas obras de duas outras artistas-criadoras: Erica Montanheiro e Camila dos Anjos, cujos espetáculos, também solos autorais, investigam a condição de mulheres-criadoras em uma sociedade patriarcal.


Camille Claudel (1864-1943), em quem Erica Montanheiro inspirou-se para criar Inventário, dirigido por Eric Lenate, passou 30 anos encarcerada em uma instituição psiquiátrica. Antes de ser internada, ela viveu durante muitos anos à sombra de dois homens, seu irmão escritor Paul Claudel e seu amante escultor Auguste Rodin, de quem ela foi aprendiz e assistente. Diante de uma relação abusiva com Rodin (que era casado e mantinha Camille como sua amante) e das dificuldades de firmar-se economicamente, de encontrar o reconhecimento simbólico e material, apesar de seu imenso talento como escultora, Claudel se posicionou fortemente contra aquela organização social patriarcal. Foi rotulada como desajustada, abandonada, silenciada - ações de extrema violência que a fizeram, num ato de coragem e revolta, destruir boa parte da própria obra artística.


Quebra-Cabeça, de Camila dos Anjos com orientação de encenação de Nelson Baskerville, é um espetáculo autobiográfico e documental, um olhar da atriz sobre a própria história pessoal e profissional, que expõe as frustrações, as expectativas e as consequências de ter começado a trabalhar ainda criança. Como se afirmar enquanto mulher, artista e criadora quando se cresce nos estúdios de TV e palcos? Como tomar para si mesma a responsabilidade de autoria da própria criação quando o mundo patriarcal ainda enxerga as mulheres como coadjuvantes dentro da organização social?


É impossível também separar as mulheres Bruna Longo, Erica Montanheiro e Camila dos Anjos da escolha pelo formato de espetáculo solo autoral como ferramenta de resistência criativa e autonomia sobre suas obras. Em uma série de palestras que viriam a se tornar o livro "Um Teto Todo Seu", Virginia Woolf escreveu que "uma mulher deve ter dinheiro e um quarto próprio para poder escrever ficção". As condições para a criação de uma obra de arte talvez não tenham mudado muito, mas tendo vencido diversas das conjunturas de dependência legal e financeira a que Woolf remete, sobram ainda a constante luta por espaço em instituições majoritariamente lideradas por homens, a experiência de silenciamento em processos de criação, a supressão de autoria de ideias e projetos. Mary, Camille, Bruna, Erica e Camila (como mulher e personagem) não procuravam ou procuram suas vozes. Procuravam e procuram espaço para que suas vozes fossem e sejam ouvidas, sem cerceamentos. Buscam ter seu valor simbólico reconhecido para que este torne-se também valor econômico. “Vale apontar que somos três artistas mulheres brancas e cisgênero, conscientes dos nossos lugares na escala de privilégios”, conclui Bruna.


Anônimo Muitas Vezes Foi Mulher:

Transmissão dos solos autorais femininos Criatura, Uma Autópsia, Inventário e Quebra-Cabeça

Idealização: Bruna Longo

Direção de Produção: Selene Marinho Produção Executiva: Marcela Horta

Montagem e cenotécnica: Evas Carreteiro

Registro Audiovisual: Bruta Flor Filmes

Direção de Fotografia: Cacá Bernardes

Direção de Imagem e Montagem: Bruna Lessa

Projeto gráfico: Kleber Montanheiro

Tradução em libras: Mirian Caxilé

Fotos: Danilo Apoena

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio

Website: http://www.brunalongo.weebly.com/anonimo


CRIATURA, UMA AUTOPSIA, de Bruna Longo

Criatura, Uma Autópsia, espetáculo solo de Bruna Longo, é uma fricção entre o romance Frankenstein, Ou O Prometeu Moderno e a vida de sua autora Mary Wollstonecraft Godwin (Shelley).


BRUNA LONGO é atriz, diretora de movimento e pesquisadora corporal formada pela Universidade de Londres. Realizou direção de movimento e trabalhou como atriz em mais de vinte espetáculos no Brasil, Europa e Estados Unidos. Colaborou com companhia dinamarquesa Odin Teatret dirigida por Eugenio Barba, de 2006 a 2010, e foi membro da Cia. da Revista, de São Paulo, de 2010 a 2016. Criadora do espetáculo de teatro físico Cada Qual no Seu Barril, com Daniela Flor (indicado a seis prêmios FEMSA, incluindo espetáculo e atriz para Bruna) e do solo Criatura, Uma Autópsia, fricção entre a vida de Mary Shelley e seu romance Frankenstein, indicada como melhor atriz no Prêmio Aplauso Brasil 2019.

FICHA TECNICA:

Concepção, dramaturgia e atuação: Bruna Longo

Assistentes: Giovanna Borges e Letícia Esposito

Cenário: Bruna Longo e Kleber Montanheiro

Cenotécnica: Evas Carreteiro e Nani Brisque com arte de Victor Grizzo

Figurinos: Kleber Montanheiro

Objetos: Bruna Longo com colaboração de Larissa Matheus

Desenho e operação de luz: Rodrigo Silbat Operação de Som: Leticia Esposito

Trilha sonora: Bruna Longo

Classificação Indicativa: 14 anos

Duração: 60 minutos

Website: http://www.brunalongo.weebly.com/criatura


INVENTARIO, de Erica Montanheiro

Um ser que um dia foi Camille Claudel está presa em um lugar sufocante e fala consigo mesma. Ela se prepara para deixar aquele lugar. Durante esta preparação, aos poucos se dá conta de que já deixou o mundo físico e que está se tornando um espectro. Neste processo, acessa suas memórias, recebe a visita de afetos e desafetos, e busca compreender seu destino e o legado que deixará para o mundo.


ERICA MONTANHEIRO é atriz, dramaturga e diretora. Foi integrante da Cia. Os Fofos Encenam desde 2004 e participou de espetáculos sob direção de Johana Albuquerque, Kleber Montanheiro, Cynthia e Débora Falabella,, entre outros. Vencedora do Prêmio FEMSA 2008 na categoria melhor atriz coadjuvante por Sonho de uma noite de verão, direção Kleber Montanheiro e indicada ao Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem 2014 na categoria melhor atriz coadjuvante por O rei e a coroa enfeitiçada. Como atriz, integrou o elenco de Histeria (prêmio Aplauso Brasil 2017 de melhor atriz coadjuvante), O libertino (2011) e A Noite de 16 de janeiro (2018), todos com direção de Jô Soares. Dirigiu o espetáculo Vocês que me habitam, de autoria própria em parceria com Gustavo Colombini, e Dois a duas, escrito por Maria Fernanda Barros Batalha (Prêmio APCA de teatro na categoria melhor espetáculo para público jovem).

FICHA TECNICA:

Concepção, dramaturgia, atuação: Erica Montanheiro

Direção: Eric Lenate Assistência de direção: Mateus Monteiro

Figurinos e visagismo: Leopoldo Pacheco e Carol Badra

Arquitetura cênica: Erica Montanheiro, Kleber Montanheiro e Eric Lenate

Desenho de luz da – temporada de estréia: Aline Santini

Montagem e Operação de Luz: Clara Camarez

Trilha sonora, sonoplastia e engenharia de som: L. P. Daniel

Canções originais: Luísa Gouvêa

Montagem e Operação de som: Rodrigo Florentino Vídeo-projeções: Laerte Késsimos

Montagem e Operacão de projeção: VJ Alexandre Gonzalez

Preparação músico-vocal: Cida Moreira

Direção de produção - temporada de estréia: Leonardo Devitto

Classificação Indicativa: 14 anos

Duração: 60 minutos


QUEBRA-CABEÇA, de Camila dos Anjos

Quebra-Cabeça é um monólogo autobiográfico e documental da atriz Camila dos Anjos, sobre sua trajetória singular: seu início como atriz mirim e sua infância e adolescência trafegando pelas vias da indústria cultural. A atriz, que concentra a sua atividade atual no teatro, expõe as consequências de ter começado a trabalhar tão cedo.


Camila dos Anjos é atriz e produtora. Estreou aos doze anos na televisão, participando de diversas séries e novelas. Foi dirigida no teatro por Ulysses Cruz, Marco Antônio Pâmio, Sérgio Ferrara, André Garolli, Aury Porto, Mário Bortolotto, entre outros. Em 2015, recebeu o Prêmio de Atriz Revelação no “Melhores do Teatro R7”, pelo espetáculo “Propriedades Condenadas”. Ganhou o “Prêmio Cenym” de teatro como Melhor Atriz coadjuvante e foi indicada ao prêmio Bibi Ferreira por “O leão no inverno”, de James Goldman, com direção de Ulysses Cruz em 2019. Em 2020, ganhou o “Prêmio Cenym” de teatro como Melhor Atriz coadjuvante pela “Inferno – Um Interlúdio Expressionista, inspirado no texto “Not About Nightingales” de Tennessee Williams. Trabalhou como atriz, produtora, tradutora e idealizadora nos espetáculos: “Propriedades Condenadas” (“Esta Propriedade está condenada” e “Por que você fuma tanto, Lily?” / SESC Consolação) e “A Catástrofe do sucesso” (“Fala comigo como a chuva e me deixa escutar” e “Mister Paradise” / Instituto Capobianco), ambos com textos de Tennessee Williams e direção de Marco Antônio Pâmio.

FICHA TECNICA:

Dramaturgia e atuação: Camila dos Anjos

Direção Musical: Daniel Maia

Desenho de luz: Marisa Bentivegna

Cenário: César Resende

Figurino: Marichilene Artisevskis Projeções em Vídeo: Raimo Benedette

Ilustrações: Nelson Baskerville

Equipe Vídeo: Pedro Cortese e Mariana Bonfanti

Realização Vídeo: Estúdio B Operação de Som: Marcela Horta

Operação de Luz: Rodrigo Silbat

Operação de Projeção: Daniel Gonzales

Vozes em off:

Bruna Longo

Cesar Resende

Eric Lenate

Leopoldo Pacheco

Rafael De Bona

PROGRAME-SE

TEATRO CACILDA BECKER


CRIATURA, UMA AUTÓPSIA

DIAS: 02, 03 e 04 de julho de 2021 HORÁRIOS: Sexta e Sábado - 21h | Domingo - 19h

VALOR DO INGRESSO: Gratuito – Online

PLATAFORMA: Sympla

ACESSIBILIDADE: Libras no Espetáculo de domingo

INVENTÁRIO DIAS: 09, 10 e 11 de julho de 2021

HORÁRIOS: Sexta e Sábado - 21h | Domingo - 19h

VALOR DO INGRESSO: Gratuito – Online

PLATAFORMA: Sympla

ACESSIBILIDADE: Libras no Espetáculo de domingo

QUEBRA-CABEÇA

DIAS: 16, 17 e 18 de julho de 2021

HORÁRIOS: Sexta e Sábado - 21h | Domingo - 19h

VALOR DO INGRESSO: Gratuito – Online


Classificação Indicativa: 14 anos

Duração: 60 minutos

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...