SURREALISMO E TERROR NA PEÇA-FILME "JÁ NÃO SOMOS DOCES"

Espetáculo do Grupo Brecha questiona valores familiares e estreia dia 11 de novembro pelo Sympla.

Na casa de uma família já desgastada pelas desavenças, o prato do dia é um acerto de contas com surrealismo e pitadas de terror para a sobremesa. Realizado no formato híbrido, que mistura teatro e cinema, o espetáculo "Já Não Somos Doces", do grupo carioca BRECHA, questiona as bases da instituição familiar e seu papel no desenvolvimento do projeto que formou o Brasil.


Dirigida por Patrick Sampaio, a peça-filme que estreia dia 11 de novembro pelo Sympla é uma criação conjunta do grupo BRECHA, com elenco formado por Carolina Muait, Gabriel Abreu, Júlia Portes, Leona Kalí e Jefferson Melo. Conhecido por mais de uma década pelas performances com multidões nas ruas e criações em espaços alternativos, o coletivo agora se aventura neste novo formato transmitido ao vivo. "Deixamos pouco claro, de propósito, o que é ao vivo e o que pode ter sido filmado na casa que ocupamos em 2020 para a realização", conta Patrick Sampaio. O grupo criou o espetáculo tendo como ponto de partida outra obra. Patrick se baseou em "Quando Formos Doces", texto de João Ricardo recém-publicado pela editora 7Letras. Aliás, ela é a primeira peça brasileira a integrar a tradicional coleção "Dramaturgias" da editora. A publicação, realizada em parceria com o BRECHA, faz parte do projeto viabilizado graças ao edital RETOMADA CULTURAL, patrocinado pelo Governo Federal em parceria com o Governo do Estado do Rio de Janeiro e Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa através da Lei Emergencial Aldir Blanc, que selecionou o projeto.


QUEM FAZ A ficha técnica conta ainda com interlocução de dramaturgia de João Ricardo, a assistência de produção de Panmella de Jesus, coordenação de transmissão ao vivo de Rodrigo Lopes, direção de arte de Raphael Elias, Iluminação e Fotografia de Patrick Sampaio e Roberto Macedo, trilha sonora de Pedro Sodré e Rudah Guedes, preparação vocal de Jacqueline Rezende, preparação corporal de Malcolm Matheus, figurinos de Tiago Ribeiro, fotografia complementar de Margot Douay, edição de vídeos de Luanne Araújo e Patrick Sampaio, programação visual de Raquel Alvarenga, assessoria jurídica de Rebeca Eckstein, contabilidade de Diego Rangel, co-produção de Pedro Coqueiro, e produção de Carolina Muait, Gabriel Abreu, Júlia Portes e Patrick Sampaio.

PROGRAME-SE

"Já Não Somos Doces" (11 a 21 de novembro)

Quinta a Domingo, às 20h.(primeiras 4 apresentações incluem bate-papo ao vivo com a equipe) Ingressos: R$35 inteira /R$17,50 meia / Classificação indicativa: 10 anos / Duração: 70 min

Compra pelo Sympla: Sympla.com.br/JaNaoSomosDoces

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...