© 2019 - Conteúdo - Portal de Cultura e Arte de Brasília e do Brasil

 Editado por Josuel Junior e colaboradores       I     Web Designer: Caio Almeida

  • Instagram B&W

Para sugestão de pauta, envie release o e-mail:

falecomportalconteudo@gmail.com

  • Josuel Junior - Editoria

Reprise de "POR AMOR" chega à sua última semana

Por Amor, de Manoel Carlos, faz com que o público tenha uma nova visão sobre o clássico no Vale a pena ver de novo. A trama chega ao fim como a reprise de maior sucesso desde 2009.


CEDOC - TV Globo

Quando Manoel Carlos escreveu “Por Amor” em 1997 era quase inquestionável que a trama seria um sucesso, afinal, veio atrelada ao êxito da produção anterior do autor: “História de Amor” (1995), que apresentou a primeira Helena de Regina Duarte. Só a nível de informação – a exemplo de “Escrava Isaura” (1976), a história de Helena, Maria Eduarda, Marcelo, Atílio e companhia está em sua 5ª exibição na TV (somando-se a estreia de 1997, a reprise de 2002 [no Vale a Pena], as reprises no Canal Viva [2010 e 2017] e essa nova reexibição em andamento nas tardes da Globo em 2019.


A novela não reverberou da mesma maneira após 20 anos. Afinal, são novos tempos e a teledramaturgia, mesmo tendo importantes clássicos, se reinventa. Uma coisa é certa: em 2019 temos plena consciência de que Helena cometera um crime por amor. Não tem outro nome que justifique: é crime! E esse pensamento mais racional faz com que analisemos mais criticamente o ato de ter trocado os bebês na maternidade – Diferente da piedade que dirigimos à personagem 20 anos atrás.


Antonio Fagundes e Murilo Benício certa vez comentaram sobre a insatisfação com o andamento de “Por Amor”. Fagundes, que deu vida a Atílio, comentou que em toda a novela teve duas cenas boas e o restante de sua atuação se deu em mesas, tomando café e whisky. E é verdade… Após o clima de romance em Veneza (nas cenas que abrem a novela), cenas boas mesmo do Fagundes foram as da notícia de quando um dos bebês morre, as de um ou dois sopapos em Marcelo, a da revelação de que Leonardo é seu filho (que é realmente uma cena linda) e a briga final com Helena, quando descobre o que a esposa fez com as crianças na maternidade. O restante foi fumando charuto e tomando drink. A vantagem é que até nas cenas que apresentam frivolidades do dia a dia o ator conseguiu manter sua marca com qualidade e carisma. Outro ator que comentou sobre o andamento da trama foi Murilo Benício que, assim como o público, se frustrou por não ver um momento sequer em que a personagem Leonardo explode. Ele passou a novela inteira engolindo sapos e humilhações e, com exceção da famosa cena da tesoura com Suzana Vieira, Leonardo não mostrou a que veio. Entrou passivo e terminou passivo, sem nenhum grito ou reviravolta.


“Por Amor” é um novelão. Um clássico da indústria do entretenimento dos anos 90 que conseguiu sobreviver ao tempo e à era digital. O impacto poético é menor nessa reprise de 2019, porém, sempre vale a pena rever uma novela antiga, seja pela nostalgia ou pelo senso comparativo.


PROGRAME-SE

PRODUTO: Por Amor

GÊNERO: Telenovela

ONDE SERÁ: TV Globo

HORÁRIO: 16h25

CLASSIFICAÇÃO: 12 anos


OPINIÃO DO EDITOR:

"Não há como negar… Assistir a uma novela com Regina Duarte depois do apoio escancarado e fanático dela ao novo presidente do país faz com que mudemos o olhar sobre Helena. De repente, é como se não tivéssemos tanta pena da personagem, conforme acontecera em exibições anteriores"