"OUVINDO VOZES: DA MARGINALIZAÇÃO À LOUCURA" ESTREIA NESTA SEMANA

Montagem da Pião Produções Artísticas tem inspiração em livro de Edmar Oliveira, sobre métodos terapêuticos de Nise da Silveira, e na realidade sobre saúde mental na periferia.

Foto: Marta Baião

Com encenação e direção de Marta Baião, o espetáculo Ouvindo Vozes: da Marginalização à Loucura estreia no dia 29 de junho (quarta), na E. E. Prof. Aroldo de Azevedo, às 20h. Com dramaturgia assinada pela diretora e por Cynthia Regina, a montagem é resultado de pesquisa e processo criativo da Pião Produções Artísticas, livremente inspirada no livro Ouvindo Vozes, de Edmar Oliveira.


As apresentações (gratuitas) ocorrem em espaços públicos não convencionais, frequentados ou a serviço da comunidade, nas regiões de Iguatemi e Sapopemba - zona leste de São Paulo. A temporada inclui quatro rodas de conversa sobre Saúde Mental na Periferia, com participação de Cristina Melo (psicóloga e arteterapeuta), e sessões com tradução em Libras, por Luccas Araújo. As próximas sessões ocorrem na E.E. Jardim Iguatemi (01/07, às 19h e às 21h), CEDECA Sapopemba (06/07, às 20h) e CEU Sapopemba (08/07, às 20h), entre outros.


Este projeto foi viabilizado pelo Programa VAI - Programa para Valorização de Iniciativas Culturais, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.


Pelo viés do teatro épico performativo, a poética montagem traz a história de três clientes, como eram chamadas as pessoas em tratamento no Instituto Nise da Silveira, no Engenho de Dentro (RJ), que descobriram vida na loucura, em um lugar marcado pelas ideias da médica psiquiatra, uma revolucionária no tratamento mental pela arteterapaia, que garantiu àqueles(as) com ‘manias de liberdade’, as saídas de suas profundezas para o encontro com a vida. Os atores Everton Santos, Juliana Morelli e Rogério Nascimento fazem releituras das histórias, não comprometidos com o normal ou anormal, mas com a desconstrução da ideia de loucura. “Ouvindo Vozes é uma história que cabe ao espectador finalizar. A situação exige reflexão de cada um. P


O livro Ouvindo Vozes aborda o processo de reestruturação do Instituto por meio da história de pessoas com diagnóstico de esquizofrenia, em tratamento psiquiátrico, privadas de acesso aos direitos básicos de sobrevivência. O enredo explora a realidade exposta no livro e as vivências dos(as) artistas periféricos(as), participantes desta produção, alinhavadas por suas memórias frente à realidade sobre a saúde a mental em seus territórios: os Distritos de Iguatemi e Sapopemba, em São Paulo.


Everton Santos traz para a cena a história de um jovem, o mais velho de três irmãos. Por ser fruto de uma relação extraconjugal da mãe com um político, vivia trancado, afastado do convívio social. Ele é internado como louco quando, em um acesso de raiva, ele rasga o vestido de noiva de sua irmã ao descobrir que ela iria se casar sem a sua presença. Rogério Nascimento vive um jovem sonhador, predestinado para passar 20 anos no hospital do Engenho de Dentro, apenas por ser uma pessoa sem controle emocional. Quando alcança o direito de ir para uma casa acolhedora, ele busca conhecer o mundo, busca a liberdade que lhe foi tolhida. Juliana Morelli interpreta uma moça com problemas psiquiátricos que, ao ser internada, conta com a surpreendente adesão das duas irmãs, que decidem se internar junto com a irmã para ficarem juntas.


Segundo a diretora, os elementos cênicos (atuação, cenário, figurino e música) dialogam pela simbologia metafórica. A cenografia concebida por ela sugere o aprisionamento. Espaços delimitados geometricamente se interligam por estruturas altas e vazadas, situando a prisão individual das personagens, bem como as possibilidades de libertação com portas e saídas. A cor branca e transparências predominam nas estruturas e nas cortinas, representando a tênue linha entre a sanidade e a loucura, e também ganham a conotação de telas/mandalas que serão pintadas pelo público antes das sessões, numa referência à arteterapia de Nise da Silveira. Projeções em video mapping - com imagens referentes ao trabalho da Dra. Nise e encenação de métodos físicos de tratamento - potencializam a abordagem e fazem o público pensar, além de técnicas de teatro de sombras que são usadas para representar a possibilidade de morte. Os figurinos (de Marta Baião) carregam simbologias do universo das personagens; trazem alegorias que reportam à busca pela libertação desses corpos. E a trilha sonora original, de Eduluz, conta com músicas que assumem funções dramatúrgicas na encenação, compostas pelos próprios atores.


Toda equipe artística envolvida na montagem foi submetida a um processo arteterapêutico, baseado nas práticas de Nise da Silveira, com o intuito de ampliar as percepções e fundamentar o trabalho. Para os realizadores, Ouvindo Vozes: da Marginalização à Loucura quer contribuir para a conscientização da importância das artes cênicas como um dos elementos fundamentais para conscientizar sobre a saúde mental nas regiões periféricas.


A origem do espetáculo

A ideia de montar Ouvindo Vozes: da Marginalização à Loucura surgiu, em 2016, quando Michele Araújo e Everton Santos - fundadores da Pião Produções Artísticas - tiveram contado com o livro de Edmar Oliveira, durante pesquisa para outro trabalho. Everton desenvolveu um exercício de cena, a partir da narrativa de um dos clientes de Nise da Silveira, fora do consciente estabelecido socialmente. A semente estava lançada e ele queria conhecer mais. No ano seguinte, junto com Michele, partiu para o Rio de Janeiro, rumo ao Museu de Imagens do Inconsciente e ao Instituto Municipal Nise da Silveira (antigo Hospital Psiquiátrico D. Pedro II), dando início ao processo de gestação de ideias.


Em 2019, eles e Monica Soares, recém-integrada ao grupo, voltaram ao Museu com propósitos mais definidos para estruturação do projeto. “Fizemos uma visita guiada que intensificou o nosso desejo de conhecer e mergulhar nesse universo. Acessamos imagens, esculturas e histórias que despertaram em nós o anseio de criar”, relembra Michele, que é produtora da peça. Também retornaram ao Instituto para saber melhor da sua história e visitaram a Casa das Palmeiras para conhecer de perto as práticas terapêuticas de Nise da Silveira. Essas vivências reverberaram, provocando reflexões sobre essa realidade nos territórios de Everton e Michele: ele, nascido, criado e morador do Distrito de Iguatemi, e ela, nascida, criada e moradora do Distrito de Sapopemba, ambos na Zona Leste de São Paulo, onde também atuam como artistas, produtor/produtora e educador/educadora. Um longo trabalho de construção cênica e o mergulho na arteterapia resultaram no espetáculo Ouvindo Vozes: da Marginalização à Loucura que busca diálogo entre o fazer teatral e a estruturação da saúde mental na periferia.


QUEM FAZ

Livremente inspirado no livro Ouvindo Vozes, de Edmar Oliveira. Dramaturgia: Cynthia Regina e Marta Baião em processo criativo da Pião Produções Artísticas. Direção/encenação: Marta Baião. Elenco: Everton Santos, Juliana Morelli e Rogério Nascimento. Concepção de cenário e figurino: Marta Baião. Execução/cenário: Daíse Neves. Execução/figurino: Isa Santos. Iluminação e operação de luz: Decio Filho. Trilha sonora original, projeção e operação de som: Eduluz. Músicas: Rogério Nascimento, Juliana Morelli e Everton Santos. Coreografia: Drama Extreme. Voz de Nise da Silveira: Leila Silva Gomes. Voz em off: Edmar Oliveira. Arteterapeutas: Cristina Melo e Monica Soares. Psicóloga mediadora: Cristina Melo. Tradutor intérprete de Libras: Luccas Araújo. Identidade visual: Renan Preto. Fotos/divulgação: Marta Baião. Social media: Rosana Cardoso. Filmagem: Lado Sujo da Frequência. Produção executiva: Michele Araújo e Everton Santos. Idealização e produção geral: Pião Produções Artísticas. Realização: Prefeitura Municipal de São Paulo - Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, por meio do Programa VAI - Programa para Valorização de Iniciativas Culturais.


PROGRAME-SE

Espetáculo: Ouvindo Vozes: da Marginalização à Loucura Com: Pião Produções Artísticas Tradução em Libras: com Luccas Araújo - 24/06, 01/07 e 09/07. Roda de conversa: Saúde Mental na Periferia - com Cristina Melo - 22/06, 29/06, 01/07 e 08/07 Grátis. Duração: 60 min. Gênero: Drama. Classificação: 16 anos.

Estreia - 29 de junho. Quarta, às 20h (sessão aberta) CEU Alto Alegre Avenida Bento Guelfi, s/n - Jardim Alto Alegre / Iguatemi. São Paulo/SP. Roda de conversa: Saúde Mental na Periferia - com Cristina Melo.

01 de julho. Sexta, às 19h e às 21h (sessão fechada) E.E. Jardim Iguatemi Rua Confederação dos Tamoios, 182 - São Mateus. São Paulo/SP Roda de conversa: Saúde Mental na Periferia - com Cristina Melo. Tradução em Libras: com Luccas Araújo.

06 de julho. Quarta, às 20h (sessão fechada) CEDECA Sapopemba - Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Rua Vicente Franco Tolentino, 45 - Sapopemba. São Paulo/SP

08 de julho. Sexta, às 20h (sessão aberta) CEU Sapopemba Rua Manuel Quirino de Mattos, s/n - Jardim Sapopemba. São Paulo/SP. Roda de conversa: Saúde Mental na Periferia - com Cristina Melo Tradução em Libras: com Luccas Araújo.

OUTROS A DEFINIR

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...