© 2019 - Conteúdo - Portal de Cultura e Arte de Brasília e do Brasil

 Editado por Josuel Junior e colaboradores       I     Web Designer: Caio Almeida

  • Instagram B&W

Para sugestão de pauta, envie release o e-mail:

falecomportalconteudo@gmail.com

  • Editor

“O Rinoceronte”, com direção de Hugo Rodas, apresenta discussão sobre a cultura do ódio



Após o sucesso do musical “Os Saltimbancos”, a Agrupação Teatral Amacaca (ATA) estreia o espetáculo “O Rinoceronte”, que fica em cartaz de 29 de novembro a 8 de dezembro, no Espaço Cultural Renato Russo. A peça, com direção de Hugo Rodas, o macaco-mor da companhia, tem sessões às 20 horas, nos dias 29 e 30 de novembro e 6 e 7 de dezembro e às 16 e 19 horas nos dias 1º e 8 de dezembro.


Baseado na peça de Eugène Ionesco, de 1956, o espetáculo da ATA traz a trama de uma pacata cidade que passa a ser perturbada pela estranha aparição de um rinoceronte em suas ruas. Logo, os bichos aparecem aos montes, frutos da metamorfose de seus habitantes. 

Marcante e atual

“O Rinoceronte”, na adaptação de Rodas, navega na metáfora, que o autor da peça desenvolveu de uma atmosfera cínica, grotesca e inquietante, que remete ao efeito manada visto em muitas sociedades diante de poderes autoritários. A comédia é uma ode à liberdade de pensamento e busca reflexão sobre a cultura do ódio tão presente em nossa sociedade atualmente.


PROGRAME-SE PRODUTO: “O Rinoceronte”, com direção de Hugo Rodas

ONDE: No Espaço Cultural Renato Russo (508 Sul)

QUANDO: 29 e 30 de novembro, às 20 horas; e 1º de dezembro, às 16 e 19 horas. 6 e 7 de dezembro, às 20 horas; e 8 de dezembro, às 16 e 19 horas

QUANTO: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), à venda no Sympla (bit.ly/RinoceronteBSB) CLASSIFICAÇÃO: 16 anos



OPINIÃO DO EDITOR O mestre Hugo Rodas coloca o elenco da ATA para mergulhar no Teatro do Absurdo, por meio de sua adaptação do texto lançado no pós-guerra. Ao ver o espetáculo, inevitavelmente, o público traça um paralelo com a atualidade, principalmente com os governos autoritário em ascensão mundo afora.