top of page

"HELENA BLAVATSKY, A VOZ DO SILÊNCIO" FARÁ MAIS OITO APRESENTAÇÕES EM SP

Conhecida por confrontar as correntes ortodoxas da ciência, da filosofia e da religião, a visionária Blavatsky influenciou inúmeros pensadores e artistas

Grande sucesso de público na capital paulista, o monólogo “Helena Blavatsky, a voz do silêncio” fará mais oito apresentações, no Teatro B32, novo complexo cultural da capital paulistana, idealizado pelo empresário Rafael Birmann, localizado na Avenida Faria Lima. Helena Petrovna Blavatsky foi uma das figuras mais notáveis do mundo nas últimas décadas do século 19, tornando-se imprescindível para o pensamento moderno. A vida e obra desta renomada pensadora russa inspirou o espetáculo, que estreou virtualmente, em 2020, com elogios de artistas e formadores de opinião (veja depoimentos abaixo), e fez sua primeira temporada presencial, em janeiro, em São Paulo. Estrelada por Beth Zalcman (@bethzalcman), sob a direção de Luiz Antônio Rocha (@luiz.antonio.rocha), indicado ao prêmio Shell de 2019 pela montagem de “ Paulo Freire, o Andarilho da Utopia”, a montagem mexe com os espectadores ao instigar uma profunda reflexão sobre a busca do homem pelo conhecimento filosófico, espiritual e místico. Este é o primeiro texto teatral da filósofa e poetisa Lucia Helena Galvão (@profluciahelenagalvao), cujas palestras na internet são acompanhadas por milhões de seguidores. Após cada sessão, haverá um bate-papo com a equipe de criação.


Foi justamente essa busca pelo conhecimento da essência humana, propagado por Blavatsky, que fez com que o teatro tivesse 90% de ocupação durante a primeira temporada, com mais de 4.500 mil espectadores em 11 sessões. “O teatro está localizado no centro financeiro e nervoso de São Paulo, e a gente viu o interesse dos espectadores de buscar a conexão e união entre as pessoas, em contraste com toda aquela correria em um mundo partido. Recebemos muitos retornos de gente falando na importância de um espetáculo que se debruça sobre a alma humana, que traz à tona nossos sentimentos mais essenciais”, comenta o diretor Luiz Antônio Rocha.


Helena Blavatsky foi, antes de tudo, uma incansável buscadora de sabedoria antiga e atemporal, revolucionando o pensamento humano. Sua vasta obra influenciou cientistas como Einstein e Thomas Edison; escritores como James Joyce, Yeats, Fernando Pessoa, T. S. Elliot; artistas como Mondrian, Paul Klee, Gauguin; músicos como Mahler, Jean Sibelius, Alexander Criabrin; além de inúmeros pensadores, como Christmas Humphreys, C. W. Leadbeater, Annie Besant, Alice Bailey, Rudolf Steiner e Gandhi.


“Interpretar Helena Petrovna Blavatsky é mergulhar no improvável, no intangível. Nada mais desafiador para uma atriz realizar um texto que demanda extrema sensibilidade, concentração e imaginação, e transporta a plateia para um universo de possibilidades”, define a atriz Beth Zalcman. “Desde o início da minha busca pelo conhecimento através da filosofia, me deparei com pensadores que dedicaram suas vidas a buscar, compilar e transmitir ideias que entrelaçam nossas vidas e compõe parte do que somos. Esta peça é uma forma comovida e contundente para homenagear esta mulher tão especial”, conclui a autora Lucia Helena Galvão.


O monólogo retoma a parceria entre a atriz Beth Zalcman e o encenador Luiz Antônio Rocha, depois do sucesso da peça “Brimas”, pelo qual a atriz foi indicada ao prêmio Shell de melhor texto. A encenação propõe uma dramaturgia inspirada no conceito desenvolvido pelo artista Leonardo Da Vinci em suas obras, conhecido como “sfumato”. Da Vinci descreveu a técnica como: “sem linhas ou fronteiras, na forma de fumaça ou para além do plano de foco”. A montagem procura nos levar do irreal ao real, das ilusões à verdade espiritual, da ignorância à sabedoria que ilumina o propósito da existência. O ponto de partida para a direção de arte, cenário e figurinos foram baseados em algumas pinturas do artista impressionista Édouard Manet que traduz com beleza a solidão deste último instante de vida de Helena.

Sinopse – “Helena Blavatsky, a voz do silêncio”

A luz da vela ilumina o cenário e revela um lugar simples no frio de Londres no final do séc. 19. É um recorte do quarto de Helena Blavatsky, que se encontra sozinha, no seu último dia de vida. Ela revisita suas memórias, seu vasto conhecimento adquirido pelos quatro cantos do mundo, se depara com a força do comprometimento com sua missão de vida e as consequências de suas escolhas. Relembra sua forte ligação com a Índia e seu encontro, em Londres, com Gandhi. “Helena Blavatsky, a voz do silêncio”, é um mergulho no universo que existe dentro de nós.


Sobre o Teatro B32 Distinto de grande parte das salas de espetáculo, introspectivas e fechadas em si, o Teatro B32 tem um projeto pensado para se relacionar de forma transparente e integrada com a cidade. Uma grande fachada de vidro no fundo do palco descortina a paisagem urbana para a plateia, ao mesmo tempo em que revela o interior da sala para o público externo. A plateia, inteiramente modular, permite que as poltronas sejam armazenadas sob o piso em poucos minutos, através do sistema automático Gala Venue, único na América Latina. Assim, o teatro comporta até 490 pessoas sentadas, na configuração de auditório, e até 900 pessoas em pé, no modelo de casa de shows. A versatilidade se estende à programação, com espaço para os mais diversos gêneros artísticos e para todas as idades e públicos. Do lado externo, o B32 está integrado a uma praça com uma escultura em formato de baleia, com 6 metros de altura por 20 metros de cumprimento, e uma fonte. O paisagismo do empreendimento é de Tom Basley. O térreo do teatro se configura como uma extensão coberta da praça, convidando as pessoas a usufruírem de todo o espaço público ao redor, numa concepção de uma arquitetura sem muros, um manifesto por um novo urbanismo para São Paulo.

QUEM FAZ

Texto original: Lucia Helena Galvão

Interpretação: Beth Zalcman

Encenação: Luiz Antônio Rocha

Cenário e Figurinos: Eduardo Albini

Iluminação: Ricardo Fujji

Assistente de Direção: Ilona Wirth

Visagismo: Mona Magalhães

Fotos: Daniel Castro

Consultoria de movimento (gestos): Toninho Lobo

Operador de luz: Gabriel Oliveira

Assessoria de Imprensa: Rachel Almeida (Racca Comunicação)

Marketing Digital: Reação Web

Idealização e Produção: Beth Zalcman e Luiz Antônio Rocha

Parceria: Organização Internacional Nova Acrópole do Brasil

Realização: Teatro em Conserva / Espaço Cênico Produções Artísticas e Mímica em Trânsito Produções Artísticas.

PROGRAME-SE

Helena Blavatsky, a voz do silêncio

Monólogo teatral inspirado na trajetória e na obra da escritora russa Helena Blavatsky

Temporada: De 3 a 19 de março de 2023

Teatro B32: Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.732 - Itaim Bibi, São Paulo – SP

Telefone: (11) 3058-9100

Dias e horários: sexta (dia 03/03), às 20h, sábado (04/03), às 18h e 21h, domingo (05/03), às 19h. Quarta-feira (15/03), às 20h, sábado (18/03), às 18h, e domingo (19/03), às 17h e 20h. Após cada sessão, haverá um bate-papo com a equipe de criação, com exceção do dia 18/03.

Ingressos: Plateia: R$ 120 (inteira) e 60 (meia-entrada); e Balcão: 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada).

Duração: 1h.

Horário de funcionamento da bilheteria: De terça a sexta, das 13h às 20h.

Classificação etária: 14 anos

Instagram: @helenablavatskyavozdosilencio


Comments


bottom of page