GRUPO MAGILUTH APRESENTA "ESTUDO Nº 1 - MORTE E VIDA"

Com direção de Luiz Fernando Marques, Estudo n°1 - Morte e Vida parte do poema "Morte e Vida Severina" para fazer um estudo cênico sobre imigração, questões sociais, climáticas e de trabalho; espetáculo retoma as temporadas de teatro presenciais na unidade.

Foto: Vitor Pessoa

Em janeiro, o grupo Magiluth estreia o seu mais novo espetáculo, Estudo Nº1: Morte e Vida. As apresentações acontecem no teatro do Sesc Ipiranga, de 14 de janeiro a 20 de fevereiro de 2022, às sextas e sábados, às 21h, domingos às 18h. Os ingressos começam a ser vendidos a partir das 14h do dia 11 de janeiro (para vendas no Portal - sescsp.org.br) e 12 de janeiro (para venda nas bilheterias das unidades).

Haverá também o curso presencial "Jogo da Pedra", em que os artistas compartilham a metodologia de trabalho do grupo e como se dá o diálogo entre a obra, o texto de João Cabral de Melo Neto e os debates contemporâneos sobre migrações forçadas. A atividade será presencial, de 27 de janeiro a 17 de fevereiro, às quintas-feiras, das 16h às 20h. As inscrições acontecem a partir do dia 11 de janeiro, às 14h, no sescsp.org.br/inscricoes (as vagas são limitadas).

Depois de uma peça baseada em texto do autor francês Jean-Luc Lagarce (Apenas o Fim do Mundo), o Magiluth decidiu voltar seus olhos à literatura brasileira, desta vez com João Cabral de Melo Neto como elemento propulsor do debate. Mais do que trabalhar o "Morte e Vida Severina" textualmente, o grupo faz um estudo a partir dele. A obra atual, quase uma "peça-palestra", usa o livro como disparador para discussões e como ele (escrito e lançado em 1954/55) se relaciona com questões contemporâneas.

Em Estudo Nº1: Morte e Vida estão apontadas urgências sobressaltadas nos últimos anos, como a questão da migração em busca de condições "melhores" e da relação desse homem com a terra, com o trabalho, com a morte e com o poder político; a questão climática, da seca, e como isso tem afetado a(s) vida(s) em várias partes do mundo; como o assunto é perpassado pela política, que enriquece os coronéis e quem está no poder, enquanto empobrece a população e não atende aos cuidados básicos; o trabalho e a uberização (e a ideia que a competição e a flexibilização só tem provocado mais desemprego e pauperização).

No decorrer da história do país, em inúmeras circunstâncias, pessoas foram levadas a deixar os seus territórios de origem em busca de melhores condições. Hoje, os "severinos" (personagem principal do poema) assumem várias nacionalidades e a migração tem outros encadeamentos. São essas relações que o Magiluth explora na peça-palestra.

A encenação

Para a direção de Estudo Nº1: Morte e Vida, o Magiluth convidou Luiz Fernando Marques, o Lubi – parceiro do grupo desde 2012 e diretor dos espetáculos Aquilo que meu olhar guardou para você e Apenas o Fim do Mundo, este último juntamente com Giovana Soar – e o ator e diretor Rodrigo Mercadante, que possui reconhecida experiência acerca de trabalhos cênicos construídos a partir de textos poéticos e não-dramáticos.

A ideia de estudo é muito presente. Elementos que geralmente ficam camuflados em uma encenação estarão aparentes aos olhos do público - como os sistemas de som e luz, por exemplo.

A trilha sonora reforça a ideia de ciclos da peça, com elementos originais e uso de músicas de artistas do punk e do hardcore de Pernambuco. A direção musical é de Rodrigo Mercadante.

Além disso, o título (morte e vida) vai estar presente o tempo todo, com vários começos e vários finais o tempo todo. Isso faz com que a peça tenha uma forma espiralar, parecendo que está sempre começando.


Grupo Magiluth

Em dezoito anos de trajetória, o Grupo Magiluth desenvolveu diversos trabalhos. Foram dez montagens de espetáculo, três livros publicados, a realização do Festival Pague Quanto Puder de Artes Integradas e inúmeras performances, intervenções urbanas e oficinas. Durante o período de suspensão social causado pela pandemia de COVID-19, criou uma trilogia de experimentos sensoriais em confinamento, composta pelas obras "Tudo que coube numa VHS", "Todas as histórias possíveis" e "Virá".

QUEM FAZ

Criação e Realização: Grupo Magiluth

Direção: Luiz Fernando Marques

Assistente de Direção e Direção Musical: Rodrigo Mercadante

Dramaturgia: Grupo Magiluth

Elenco: Bruno Parmera, Erivaldo Oliveira, Giordano Castro, Lucas Torres e Mário Sergio Cabral

Produção: Grupo Magiluth e Amanda Dias Leite

PROGRAME-SE

Presencial

Estudo Nº 1: Morte e Vida, com o Grupo Magiluth

Sesc Ipiranga

Rua Bom Pastor, 822 – Ipiranga - São Paulo SP | (11) 3340-2000

De 14 de janeiro a 20 de fevereiro de 2022, sextas e sábados às 21h, domingos, às 18h

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) | R$ 20,00 (meia e/ou credencial plena)

*o uso de máscaras é indispensável para o acesso à unidade

Ingressos à venda pelo Portal Sesc SP e nas bilheterias da Rede Sesc a partir do dia 11 de janeiro (para vendas no Portal) e 12 de janeiro (para venda nas bilheterias).

Classificação indicativa: 16 anos

No Teatro (200 lugares)

Curso Jogo da Pedra, com Grupo Magiluth [presencial]

O curso Jogo da Pedra visa fomentar a construção, junto aos artistas-criadores, de metodologias de trabalho baseadas no mais recente processo criativo desenvolvido pelo Grupo Magiluth. O curso propõe, por meio de diálogos entre a obra de João Cabral de Melo Neto e debates contemporâneos acerca de migrações forçadas, uma investigação sobre as potencialidades de impulsos que deslocam posicionamentos, tanto no plano espacial e geográfico quanto nos aspectos simbólico e humano.

De 27 de janeiro a 17 de fevereiro, quintas das 16h às 20h

*o uso de máscaras é indispensável para o acesso à unidade

Inscrições a partir do dia 11 de janeiro, às 14h, no Portal Sesc SP: sescsp.org.br/inscricoes

Grátis (vagas limitadas)

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...