FESTIVAL INTERNACIONAL DE DANÇA EM PAISAGENS URBANAS

Festival Internacional de Dança em Paisagens Urbanas reúne companhias brasileiras e estrangeiras em intervenções coreográficas, oficinas, sessões de videodança e exposição de fotos, em seis espaços da cidade de São Paulo e, ainda, no Sesc Campinas, que recebe a Extensão Interior desta edição.

O ANARQUITETÔNICO - Paulo Emilio Azevedo - Cia Gente

Depois de duas edições virtuais, por conta do necessário distanciamento social imposto pela pandemia de Covid 19, o 15º Visões Urbanas - Festival Internacional de Dança em Paisagens Urbanas, concebido e realizado pelos artistas Ederson Lopes e Mirtes Calheiros, da Cia Artesãos do Corpo, retorna, de 29 de abril a 15 de maio, aos espaços públicos e abertos da cidade de São Paulo, com ações presenciais no Centro de Referência da Dança - CRDSP, no Vale do Anhangabaú, na Casa das Rosas, Oficina Cultural Oswald Andrade, Sesc Santo Amaro, Parque da Água Branca, e ainda no Sesc Campinas, que acolhe a sua versão “Extensão Interior”.

Além de 22 performances, de artistas ou companhias de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Ceará, Uruguai e Colômbia, o festival traz a exposição de fotos do bailarino e coreógrafo Luis Arrieta, no ano em que comemora seus 50 anos na dança, oficinas presenciais e on-line e ainda a realização de mais uma mostra internacional de videodança "InShadow", em parceria com a VoArte, de Lisboa.

A abertura, no Centro de Referência da Dança, acontece na sexta, 29 de abril, às 18h, com a exposição “Luis Arrieta Dançando na Cidade”, em uma seleção expressiva de imagens do bailarino e coreógrafo que participou de diversas edições do festival, em diferentes espaços públicos e paisagens urbanas da cidade, clicadas pelo fotógrafo Fabio Pazzini.

Na sequência, cinco performances, começando por “Borderline”, do próprio Arrieta, um encontro com o espaço e o tempo, que o artista teve há 50 anos, e o abduziu para o mundo da dança. Depois vem “Fio do Meio, ato nº 2 – a travessia desacreditada do esbarrão”, da carioca Cia Gente, um estudo coreográfico sobre o esbarrão, ação que faz mover o corpo a partir do desequilíbrio, mas que, com a pandemia de Covid-19, se fez mais tímido, frente ao medo dos corpos se tocarem. A Cia Flex de Dança, de Trairi, cidade do litoral cearence, entra com “O Peso do Meu Coração”, solo de Thiago Soares, inspirado no estudo das filosofias budista e yogue acerca do conceito de apego e desapego. “Elo” é a proposição poética da T.F. Cia de Dança em busca de uma nova perspectiva da cidade num diálogo entre o corpo, a arquitetura e o público. A última criação da noite é “Pauza”, do uruguaio Christian Moyano, que propõe novas estratégias para o mover, depois de um período de imobilidade imposta.

No fim de semana o festival migra para o Sesc Santo Amaro, em sua versão Visões Periféricas. Sábado, 07/05, a partir das 19h, Samira Marana volta com “Yersinia”, e a Companhia de Dança de Diadema, com “SCinestesia – do Espaço do Corpo ao Corpo do Espaço”. A Cia Artesãos do Corpo encerra a programação de espetáculos em São Paulo com a reapresentação de “Senhor Tati”, no domingo (8/5), às 17h.

A dança em paisagens urbanas Criado pelos artistas e pesquisadores Ederson Lopes e Mirtes Calheiros e realizado pela Cia. Artesãos do Corpo, o Visões Urbanas é um encontro artístico tendo a dança e a cidade como focos principais na sua programação. Ao longo de suas 14 edições, já participaram do festival artistas de vários estados do Brasil e de países espalhados pelo mundo, como Portugal, Espanha, França, Argentina, Uruguai, Colômbia, Turquia, México, EUA, Cuba, Alemanha, Bélgica, Itália, Japão , Moçambique e Ucrânia.

Em 2022, o Festival Visões Urbanas conta com o apoio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, através do Proac Editais. PROGRAME-SE 15º Visões Urbanas - Festival Internacional de Dança em Paisagens Urbanas Exposição, performances, oficinas e videodanças De 29 de abril a 15 de maio| 2022 – vários espaços e horários *Abertura: 29/4, às 18h, no Centro de Referência da Dança (Baixos do Viaduto do Chá, s/n – ao lado do Theatro Municipal), com a exposição fotográfica Luis Arrieta – Dançando a Cidade, e cinco peformances (Borderline, de Luis Arrieta; Fio do Meio, da Cia Gente; O Peso do Meu Coração, da Cia Flex de Dança; Elo, da T.F. Cia de Dança e Pauza, de Christian Moyano. Locais: Centro de Referência da Dança (CRDSP, Vale do Anhangabaú, Casa das Rosas, Oficina Cultural Oswald Andrade, Sesc Santo Amaro, Sesc Campinas e Parque da Água Branca. Endereços: Centro de Referência da Dança – CRDSP | Vale do Anhangabaú Galeria Formosa / Baixos Viaduto do Chá – ao lado do Theatro Municipal Casa das Rosas Av. Paulista, 37 – Bela Vista Oficina Cultural Oswald Andrade Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro SESC Santo Amaro Rua Amador Bueno, 505 – Santo Amaro SESC Campinas Rua Dom José I, 270/333 – Bairro Bonfim – Campinas – SP Parque da Água Branca Av. Francisco Matarazzo, 455 – Barra Funda Grátis Programação completa (+ infos www.visoesurbanas.com.br e instagram: @festivalvisoesurbanas)

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...