top of page

"FÁBRICA DE CHOCOLATE" PROMETE IMPACTAR A PLATEIA DO RIO DE JANEIRO

O mais contundente texto de teatro sobre o período da ditadura reestreia após 09 anos na Sede Cia dos Atores, na Escadaria Selarón dia 09 de novembro.

"Fábrica de Chocolate" mostra a diabólica rotina dos torturadores. O aparelho policial-militar, encarregado de anular qualquer cidadão suspeito de incompatibilidade ativa com o regime. O autor, Mario Prata construiu a peça a partir de um dado: um homem morreu durante a tortura e o órgão repressor precisa simular um suicídio. Esta ação revela os preparativos para provar que o morto, operário de uma fábrica de chocolate, suicidou-se. Mais atual do que nunca, onde mentiras são fabricadas intencionalmente para obtenção do poder, numa época em que fake news tomam as páginas de internet e aplicativos de mensagens, o espetáculo reestreia após 09 anos de sua primeira montagem, na Sede das Cias, em Santa Tereza, dia 09/11 às 20h.


“Fábrica de chocolate” é uma das raras peças de teatro que impacta a plateia pela sua dramaticidade e ao mesmo tempo é um testemunho de um dos momentos mais horripilantes da história do Brasil. Mário Prata antecipa dramaturgicamente o fenômeno das fake news como instrumento da ditadura militar. É com a alma tocada de sentimento artístico e de justiça aos direitos humanos que trazemos à cena esse chocolate sujo de sangue – descreve Hermes Frederico, idealizador do projeto.

“Fábrica de Chocolate” registra diversos escalões do aparato repressivo, do carcereiro-torturador, passando pelas chefias intermediárias até os escalões superiores. É mostrando seres humanos comuns, usando uma linguagem estimulante e verdadeira, que por vezes os aproxima de nós, que esse texto nos desafia agudamente, sem maniqueísmos.


Retomar “A Fábrica de Chocolate” nesse momento é algo muito significativo, estamos vivendo uma escalada da violência no país e um grande incentivo e legitimação a opressão do Estado, violência esta sempre seletiva, contra aqueles que vivem na base da pirâmide ou a margem da sociedade. Nosso espetáculo mostra o quanto é importante a manutenção do estado democrático de direito. Numa sociedade que ainda hoje têm na sua atuação policial os resquícios da ditadura, é sempre preciso conscientizar a todos sobre o que foi esse período obscuro no Brasil e na América Latina - destaca o ator e produtor da peça, Alexandre Galindo.


O start para a obra

Tocado pela morte de Wladimir Herzog, Mario Prata recriou o famigerado ambiente dos porões da ditadura e seus “gorilas”, dando vida a personagens sem rosto da nossa história. Para isso, teve a preocupação de acrescentar um dado fundamental nesta terrível história que nos é contada sem pudor: a satisfação irreverente que rompe a crueza da situação.


A montagem da peça em 2013 trazia um tema atualizado através da criação e atuação da COMISSÃO DA VERDADE. Ao longo das várias temporadas a contundência do texto foi sempre se renovando, seja pelo sumiço do pedreiro Amarildo após entrar numa patamo da Polícia Militar, seja pelos assassinatos de Marielle e Anderson, seja pela "homenagem" feita por um parlamentar à um torturador durante a votação de um processo de impeachment da Presidente que criou a Comissão da Verdade e que foi torturada durante a ditadura civil-militar.


Em 1979 o escritor quis retratar o brasileiro que tortura o semelhante como alguém que tem família, que se confunde na rua com a multidão, que gosta de futebol. O burocrata da morte.

Ambientado nos porões da ditadura, aqueles desvãos de lixo que garantem a permanência das fachadas das sociedades injustas. O texto não economiza detalhes de um horror que às vezes resvala para o humor desagradável. Ao mesmo tempo em que nos constrange esse humor extemporâneo — é impossível esquecer um só momento que se trata da soma de acontecimentos reais.


Traçando um paralelo entre "ontem" e "hoje" pode-se observar a contemporaneidade deste texto. Hoje, uma grande disputa de poder se trava com o advento das fake news, onde mentiras são disparadas com o auxílio e velocidade implacável das mídias sociais. O intuito é destruir o ser humano pela desconstrução/distorção moral e de suas ações. Sendo assim, contribuir até mesmo, para processos de adoecimento por moléstias psicossomáticas. Novamente, tem-se a chave mestra, o elo principal ou a liga desta receita, a mentira; usada para justificar e atenuar crimes praticados e que assim como nos tempos da ditadura, visam à manutenção ou obtenção de poder social.


"Hoje, o artista que deseje combater a mentira e a ignorância tem de lutar, pelo menos, contra cinco dificuldades. Lhe é necessária a coragem de dizer a verdade, numa altura em que por toda a parte se empenham em sufocá-la; a inteligência de a reconhecer, quando por toda a parte a ocultam; a arte de a tornar manejável como uma arma; o discernimento suficiente para escolher aqueles em cujas mãos ela se tornará eficaz; finalmente, precisa de ter habilidade para difundi-la. Estas dificuldades são grandes para os que produzem cultura sob o jugo do fascismo; aqueles que fugiram ou foram expulsos também sentem o peso delas; e até os que criam num regime de liberdades burguesas não estão livres da sua ação."

Bertolt Brecht - Alemanha, 1934.


PROGRAME-SE

Local: Sede Cia dos Atores

Endereço: Rua Manuel Carneiro, n.º 12, Santa Teresa, RJ (Escadaria Selarón)

Estreia/ Temporada: 09/11 a a 22/12

Dias e Horários: Quartas e Quintas-feiras às 20h (Duração: 75min.)

Ingressos: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia entrada)

Lotação: 72 lugares

Classificação: 18 anos


QUEM FAZ

Elenco: Alexandre Galindo, Cassiano Gomes, Daniel Villas, Henrique Manoel Pinho, Isadora Ferrite e Paulo Castello.

Direção: Luiz Furlanetto

Assistência de direção: Rebeca Souza

Texto: Mario Prata

Cenário: José Dias

Iluminação: Henrique Manoel Pinho & Daniel Villas

Figurino: João de Freitas Henriques

Trilha sonora: Mario Portella

Operação de Luz e Som: Rebeca Souza

Fotografia artística: Fernando Valle e Junior Franco

Identidade Visual: William Gomes

Assessoria de Imprensa: Alessandra Costa

Produção: AR Produções, Teatro de Jardim e Gêneses Produções

Idealização: Hermes Frederico e Henrique Manoel Pinho

Realização: Gênese Produções

Comments


bottom of page