ESPETÁCULO "MERCEDES" RETORNA AOS PALCOS DE SUA PRIMEIRA MONTAGEM

Depois de cinco anos e diversas apresentações pelo Brasil, peça sobre a Primeira Bailarina Negra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro está de volta ao Sesc Copacabana, a partir do dia 05 de novembro.

Desde a estreia no Sesc Copacabana em 2016, o espetáculo “Mercedes" realizou apresentações virtuais e circulou por 5 cidades do Estado do Rio de Janeiro, através do Projeto X-TUDO CULTURAL. Participou de importantes Festivais e Mostras Brasileiras, como a Mostra Benjamin de Oliveira, em Belo Horizonte, e a Mostra Olonadé da Cia dos Comuns. E, no ano em que se comemora o centenário da bailarina, figura emblemática da história da dança, a peça retorna aos palcos que estreou para cumprir temporada de 05 a 28 de novembro, de sexta a domingo, sempre às 19:00.

Criado pelo Grupo Emú, o espetáculo conta a história da primeira bailarina negra do corpo de baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Mercedes Ignácia da Silva Krieger, nascida em 20 de maio de 1921, bailarina de formação erudita, é a homenageada neste espetáculo teatral, que faz uma viagem pela vida da artista que até hoje contribui para o resgate e preservação da cultura negra brasileira. Uma das maiores representantes da cultura afro-brasileira no mundo, Mercedes foi pioneira da dança moderna brasileira e principal responsável pela disseminação das alas coreografadas do carnaval carioca.

É a partir de sua trajetória que o grupo se lança sobre uma dramaturgia interessada no diálogo da questão racial com a contemporaneidade e agrega à apresentação manifestações artísticas como teatro, dança e música, utilizados como símbolos poéticos de representação da ligação entre a formação clássica e os conhecimentos das danças de matriz africana. O universo da ficção submete um retorno às expressões afro-brasileiras, através da apresentação de uma narrativa em torno da construção da identidade negra na dança brasileira, contada a partir de fatos reais e fictícios da vida da personagem título.

O Emú surge da convergência de anseios pautados na formulação de uma zona material poética, que possibilite ao ser negro e artista o agenciamento e autoria de sua própria história. A Cia tem a negritude como uma construção constante e se utiliza do palco como um instrumento para a potencialização do autoconhecimento e para a formulação de personagens não aprisionadas pelas paisagens responsáveis pela limitação das potencialidades do artista e indivíduo negro.

O Grupo EMÚ é uma iniciativa para formação e consolidação de equipes negras no campo de trabalho, subdividindo-se em: Emú Produções Artísticas e Culturais (Produtora), Cia Emú de Teatro Negro e Núcleo de Pesquisas NEGRAHR (UFRJ). Destacam-se em seus projetos o espetáculo “Mercedes” e a Mostra Ultrajado, que recebeu o Prêmio Questão de Crítica 2018. A Cia é uma companhia formada para investigação teatral, conciliando um diálogo da questão racial com a contemporaneidade. Emú surge da convergência de anseios pautados na formulação de uma zona material poética, que possibilite ao ser negro e artista o agenciamento e autoria de sua própria história. A Cia tem a negritude como uma construção constante e se utiliza do palco como um instrumento para a potencialização do autoconhecimento e para a formulação de personagens não aprisionadas pelas paisagens responsáveis pela limitação das potencialidades do artista e indivíduo negro.

QUEM FAZ

Concepção e idealização: Sol Miranda

Direção: Juracy de Oliveira e Thiago Catarino

Texto: Cássio Duque e Sol Miranda

Dramaturgia: Grupo Emú

Supervisão de direção e de dramaturgia: Fabiano de Freitas

Elenco: Ariane Hime, Drayson Menezes, João Nazaré, Paula Pardon, Tatiana Henrique, Tuany Zanini e Sol Miranda

Coreografia e direção de movimento: Fábio Batista

Preparação corporal: Charles Nelson

Bailarinos: Renata Araújo, Ana Gregório, Evandro Machado e Emerson Ataíde.

Direção musical: Sérgio Pererê

Composição musical: Kadú Monteiro e Sérgio Pererê

Composição percussiva biográfica: Kaio Ventura

Piano: Adriano Souzza

Violino: Frida Maurine

Violoncelo: Raquel Terra

Percussão: Kaio Ventura

Efeitos: João Nazaré

Preparação vocal: Priscilla Lacerda

Iluminação: Paulo Cesar Medeiros

Iluminador de cena: Hebert Said

Figurino: Lucas Pereira

Cenografia: Bambuê Arquitetura Viva & Mundo Livres

Fotografia Artística: Daniel Barboza, Felipe Alencar e Júlio Ricardo

Designer Gráfico: Giulia Santos

Assessoria de Imprensa: Alessandra Costa

Produção: Emú Produções Artísticas

Direção executiva: Sol Miranda

Produção de Marketing Cultural: Aliny Ulbricht

Coordenação de Produção: Nil Mendonça

Produção executiva: Patrícia Rodrigues

PROGRAME-SE

MERCEDES

Temporada: 05 a 28 de novembro de 2021

Sextas, sábados e domingos, às 19:00

Local: Teatro Sesc Copacabana

R. Domingos Ferreira, 160 - Copacabana, Rio de Janeiro - RJ

Ingresso: R$ 30,00 (inteira) / R$ 15,00 (meia) e R$ 7,50 (comerciários)

Duração: 70 minutos

Indicação etária: 12 anos

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...