ESPETÁCULO "ENTRE" PERMITE QUE O PÚBLICO ESPIE A OBRA SEM MODERAÇÃO

Câmeras indiscretas captam a criação instantânea de realidades a partir de inspirações fornecidas espontaneamente pelo público. Espreite sem moderação.

O espetáculo “ENTRE” propõe alternativas para o entre plateia-artistas em tempos pandêmicos pelo meio virtual, utilizando como instrumento o híbrido das linguagens do improviso de formato longo, do teatro e do audiovisual. A cada sessão, uma nova história é criada a partir das informações coletadas pela Mestre de Cerimônias.


A obra teve o cuidado de ser pensada de uma maneira que atinja o público por meio da mistura entre o teatro de improviso e audiovisual. Ele busca suas referências em reality shows, revelando câmeras indiscretas que mostram os personagens em suas casas, vivendo suas vidas. Foi necessário o desenvolvimento de uma direção de corte das propostas encenadas pelos improvisadores, de forma que o espetáculo seja prazeroso ao espectador que tem várias outras opções de entretenimento à palma da mão, como as redes sociais e os canais de streaming. Destaca-se também o flerte com o teatro do oprimido e com a pretensão de fazer um teatro jornal ou fórum visto que o “Entre” é um produto de qualidade que não avisa apenas o entretenimento mas que desperte a reflexão em quem assiste.


O Improviso de Longform – que foi traduzido para “formato longo” para facilitar o acesso do público ao espetáculo – trata-se basicamente de um jogo de improviso que não se mostra como jogo, mas como uma peça convencional em função de sua duração mais longa. Sendo assim, o espetáculo dura o tempo que a história precisar para ser concluída. As histórias improvisadas no “Entre” partem de materiais trazidos pelo público na hora, além do estudo anterior que o grupo realizou na arte de improviso, além do olhar de improvisador que foi treinado durante os meses de ensaio.


Visando a educação, a confraria se compromete a conversar com o público ao final de toda sessão para expor mais sobre a arte do improviso e os métodos utilizados durante a criação do espetáculo.


CONFRARIA ARTÍSTICA BORA

A Bora nasceu em janeiro de 2021 a partir do desejo de uma pedagoga e uma psicóloga, ambas atrizes de signos de fogo, em fazer acontecer. As duas dividem a prática de dedicar muita energia nos projetos que participam, não só no palco como na produção. O objetivo da confraria é proporcionar a prática da arte, aliando educação, informação e debate, além de apoio e suporte emocional e afetivo aos artistas e colaboradores. A Confraria Artística Bora pretende valorizar produções locais, novas ideias ou até mesmo antigas ideias que sejam executadas por novas pessoas na área do teatro.


DIREÇÃO

A diretora Carina Ottoni é formada em artes cênicas (licenciatura) e pedagogia, professora na rede de ensino privada há mais de 15 anos, trabalha com teatro desde 2011 e desde 2014 estuda a arte do improviso teatral com maior profundidade. Carina já almejava há algum tempo dirigir um espetáculo de improviso, dos quais até então havia participado apenas como improvisadora. Foi só o empurrãozinho da Tathyana Lopes, sua sócia na Bora, que faltava para que ela conseguisse dirigir seu primeiro espetáculo de improviso.

PROGRAME-SE

Data: 12 e 13 de junho

Horário: 17 horas

Local: Plataforma Zoom

Ingressos: R$ 25 (inteira)

Vendas pelo Sympla ou pelo Whatsapp (61) 99604-6754 (Tathyana)

Não recomendado para menores de 16 anos

Sujeito à lotação

QUEM FAZ

Designers gráficos: Rafael Nogueira e Mariana Lozzi

Direção e concepção: Carina Ottoni

Dramaturgia: elenco e plateia

Elenco improvisador: Leili Sadri, Rodrigo Bittes, Tathyana Lopes e Thiago Freitas

Foto de divulgação: Nath Britto

Músico improvisador: Rodrigo Bittes

Produção executiva: Tathyana Lopes


1/3