top of page

ESPETÁCULO DE DANÇA "QUEM NOS PROTEGE DE NÓS" EM CARTAZ NO SESC COPACABANA

Espetáculo de dança contemporânea “Quem nos protege, se não nós?” estreia com apresentações inéditas de 7 a 17 de dezembro no Rio de Janeiro

Coreografado e interpretado por Tiago Oliveira e sob a direção de Igor Lopes e Suelen Cristina, o espetáculo solo de dança contemporânea “Quem nos protege, se não nós?” vai estrear no 7 de dezembro, no Mezanino do Sesc Copacabana. A temporada será de 8 apresentações inéditas em horário nobre e vai até o dia 17 de dezembro.


O espetáculo foi selecionado para fazerparte da programação de temporadas do Edital de Cultura RJ Sesc Pulsar 2022/2023. Com o discurso organizado em um lugar social, partindo das experiências compartilhadas pelas pessoas que habitam esse mesmo espaço, o projeto propõe discussões sobre colonialidade, exploração do trabalho e violência no cotidiano urbano periférico, suas raízes e consequências. As obras do artista plástico Jefferson Medeiros, que servem de inspiração para este espetáculo, também compõem a cenografia que utiliza materiais diversos de concreto a cápsulas de munição encontradas no circuito do artista ou de seus amigos e conhecidos que desejam colaborar com suas criações. Jefferson afirma: “Cada obra demanda uma técnica, que por vezes precisa ser desenvolvida, portanto organizo o pensamento a partir do fazer. É a partir desse lugar social onde me encontro que produzo meus trabalhos como um discurso, uma enunciação, uma epistemologia periférica de compreensão da realidade que experimento”. Seguindo essa premissa, o solo foi elaborado na perspectiva de um corpo preto entendendo a arte como uma prática decolonial. 


A construção deste espetáculo tem o objetivo de reforçar uma atitude ativa, libertadora, transgressora, estruturada a partir da valorização de aspectos da autorreflexão, da crítica criativa e do ativismo - pontos importantes para o fortalecimento de uma resistência às representações do racismo e do colonialismo nas práticas de criação em dança. Quando se trata de arte preta e marginal em nada se pretende uma expressão neutra, ela possui uma postura contra-hegemônica que desafia e denuncia as mais variadas formas de opressão experimentadas no cotidiano periférico. Por isso, esse processo artístico se dá como um grito e não busca autorização, pois é uma batalha pela existência, pela vida. Logo, é um discurso de urgência.

 

As perspectivas coreográficas elaboradas por Tiago Oliveira têm contribuído para problematizar o racismo por meio da dança e têm revelado uma forma de organizar processos de pensamento, criação e ativismo político através do compartilhamento de dores historicamente forjadas que revelam os abusos, as violências, as desterritorializações e as ausências do corpo preto no panorama dos protagonismos da vida social. Em seus 3 últimos trabalhos (Vira-Lata/2017; À margem/2019 e Um estranho em mim/2020) em que esteve como diretor artístico, essas perspectivas se apresentam de maneira mais enfática. E mesmo no trabalho Vidas Secas/2021, em que esteve como coreógrafo, Tiago Oliveira não deixou de refletir sobre sua formação profissional e sobre o fato de ser um corpo preto de procedência periférica, o que tem elaborado sentidos importantes para as reflexões em torno da cena preta carioca.


Processo de criação e desenvolvimento

A proposta deste espetáculo surge na tentativa de criar diálogos poéticos sobre a cena preta como lugar de resistência. Um esforço de valorização destas estéticas emergentes da luta antirracista no contexto da criação em dança. A partir da exposição homônima ao espetáculo do artista plástico Jefferson Medeiros, a dramaturgia deste trabalho irá se concentrar no tratamento de temáticas vinculadas ao racismo e no fortalecimento dos processos de conscientização e restauração das poéticas pretas no contexto das Artes da Cena. A composição cenográfica será feita com as obras do Jefferson Medeiros, que irão se expandir até o foyer (saguão, sala de espera) do Mezanino do Sesc Copacabana.


A concepção e interpretação deste projeto serão feitas pelo bailarino e coreógrafo carioca Tiago Oliveira, que vem se fortalecendo, cada vez mais, no universo da dança com uma trajetória de sucesso de seus espetáculos. Em sua trajetória, Oliveira se pôs a questionar sobre: “Quais estratégias de composição que outros artistas negros estão desenvolvendo para problematizar a questão da discriminação racial? Que tipos de plataformas pesquisadores e artistas negros estão construindo para dar visibilidade às suas produções cênicas? Como o fato de ser negro alimenta as produções de outros artistas ?”


PROGRAME-SE

Data: 07 a 17 de dezembro de 2023, quinta a domingo

Horário: às 20h30

Local: Mezanino – Sesc Copacabana

End.: Rua Domingos Ferreira, 160 – Copacabana

Ingressos: R$ 7,50 (associado do Sesc), R$ 15 (meia-entrada), R$ 30 (inteira)

Duração: 45 minutos

Classificação etária indicativa: + 14 anos 

Público-alvo: Pessoas de todos os gêneros, com idade acima dos 14 anos, que tenham interesse nas artes cênicas e nas discussões sociais. Foco nos artistas, educadores e participantes de projetos sociais. Artistas pretos(as)(es).


QUEM FAZ

Concepção, coreografia e interpretação: Tiago Oliveira

Direção-Geral: Igor Lopes e Tiago Oliveira

Direção Artística: Suelen Cristina 

Produção Executiva e Coordenação Técnica: Thiago Piquet

Assistente de Produção: Poliana Ribeiro

Designer de Luz:Lúcio Bragança Jr. 

Videomaker: Arthur Magnum

Comments


bottom of page