• Editor

ESPETÁCULO DE DANÇA CONTEMPORÂNEA EM ÁGUAS CLARAS

A montagem de dança contemporânea com direção, edições de textos e vídeos de Carlos Guerreiro e solos/performances elaboradas pelos bailarinos Catherine Zilá, Isabela Tanizaki, Luísa Delanne, Luíza Caldas, Maria Clara Farias, Maria Gabriela Gomes e Romário Gonçalves.

Luísa Delanne

"Os Sete Pecados Capitais" é um espetáculo independente de dança contemporânea acompanhado por intervenções de vídeos e textos de Carlos Guerreiro. Essa mescla de elementos da linguagem teatral e audiovisual ajudam a montar a narrativa de forma intensa e provocante a respeito do surgimento dos dogmas cridos em torno dos sete pecados capitais e suas diversas interpretações e implicações.


Os pecados capitais são quase tão antigos quanto o cristianismo. Porém só se tornaram oficiais no século 6, quando o papa Gregório Magno, definiu como sendo sete os principais vícios de conduta: gula, luxúria, avareza, ira, vaidade, preguiça e inveja, usadas mais tarde pelo catolicismo com o intuito de educar os seguidores e controlar os instintos básicos do ser humano. O termo “capital” deriva do latim, significa cabeça, líder ou chefe, o que quer dizer que as sete infrações se tornam “líderes” dos seres humanos que as cometem.


A Igreja até tentou oferecer soluções para os pecados capitais, criando uma lista das sete virtudes fundamentais: humildade, disciplina, caridade, castidade, paciência, generosidade e temperança. Os opostos, o bem e o mal, a linguagem dualista operando entre o certo e o errado e, que ainda consegue nos prender dentro de um sistema. Mas até quando?


Com direção e coreografias em grupo de Carlos Guerreiro. A montagem inédita provoca diversas reflexões a respeito da natureza humana e a tentativa de controle da igreja católica por meio da culpa criada em torno dos sete pecados capitais. Tudo isso é transmitido através da dança contemporâneas, trechos de improviso e performances criadas pelos bailarinos para representarem as diversas camadas que os pecados podem esconder por traz do senso comum.


Sobre o Diretor

Carlos Guerreiro dança há 16 anos. As acrobacias aéreas começaram um pouco mais tarde e atualmente estão presentes na sua estética. Participou de espetáculos acadêmicos e profissionais dentro e fora de Brasília, com números em grupo, duos e solos. Como solista obteve aprovação para o palco aberto do Festival Internacional de Joinville. É professor de Jazz Dance, Danças inclusivas (alunos com síndrome de Down e pessoas com deficiência cognitiva) e Dança Contemporânea, onde coreografou e dirigiu suas turmas de dança nas mostras e espetáculos. Em Brasília, participou do espetáculo ‘Clarice Lispector em Movimentos’ patrocinado pelo FAC e dirigido por Jana Marques pelo Grupo Azzo Dança (integrante de 2010 a 2019); em 2019 fundou a Pele Cia. De Dança e Circo, até o momento com três espetáculos independentes. O espetáculo ‘27’, primeiro da PELE Cia de Dança e Circo, o segundo, “A Sós” que foi aprovado em editais em Goiânia (Teatro Sesi Goiânia) e Salvador (Festival do Teatro Brasileiro). E ‘De um lugar amor’, espetáculo híbrido de dança, circo, ilustrações e audiovisual. Foi aprovado no Edital BSB2060, com um solo de Dança Contemporânea e acrobacias.

PROGRAME-SE

Local: Teatro dos Ventos

Endereço: Rua 19 norte, Dua Mall, loja 05 – Águas Claras, Brasília/DF

Temporada: 19 e 20 de fevereiro de 2022.

Horários: Sábado e Domingo às 20h00

Ingresso: R$30,00 (meia)

Ingressos via Pix: (CPF) 03437854127 (Carlos Guerreiro)

Informações: 61. 9 98161 3618

Classificação indicativa: 12 anos

Instagram: @teatrodosventos E-mail: peleciadedancaecirco@gmail.com

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...