top of page

EQUIPE DO DF PREPARA EXPOSIÇÃO COM ACERVO DA FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TEATRO

Após nova equipe assumir a gestão da Fundação Brasileira de Teatro, artigos raros e nunca revelados ao público são redescobertos em baús, caixas e porões em pleno CONIC.

Acervo FBT

É sabido que nos últimos anos o Teatro Dulcina tenha sido motivo de especulação imobiliária, gestões problemáticas e crises que, infelizmente, denotam a importância que se dá às artes cênicas do país. O que pouca gente sabe é que o local abriga um verdadeiro relicário do teatro brasileiro. Situado no Setor de Diversões Sul, o prédio da Fundação Brasileira de Teatro, que comporta a Faculdade de Artes e o Teatro Dulcina de Moraes, tem em seu interior um acervo material e imaterial riquíssimo, que conta uma importante fase do teatro brasileiro produzido entre as décadas de 1920 e 1980. Por mais que professores, gestores e alguns estudantes tenham tido, ainda que de maneira rápida, acesso a esse material, ele nunca foi revelado ao público pela dificuldade de inventariar, digitalizar e apresentar à sociedade. Nas caixas, baús, armários e fichários, documentos que mostram a luta pela profissionalização do artista no Brasil, planejamento de aulas em plena década de 1950, poemas e ensaios manuscritos de grandes nomes da fase do regionalismo brasileiro, além da saga da própria Dulcina de Moraes que revelou em seu diário as difíceis reuniões com presidentes do Brasil na década de 1970. Tudo isso preservado, mas amontoado sem ser numa ordem lógica. Destaque para cartas de Monteiro Lobato escritas a nanquim para Odilon Azevedo, seu amigo. Telas de Daniel Tixier, Dimitri Ismailovitch e até originais de registros da Guerra de Canudos estão entre os itens cuidadosamente desembalados, catalogados e digitalizados – uma verdadeira relíquia das artes que, por anos, esteve longe dos olhos do público. Além de itens artísticos, peças e artigos pessoais do apartamento de Dulcina de Moraes também vieram à tona, desde suas perucas até cílios postiços e o último sabonete usado pela atriz. A excentricidade do material dialoga fortemente com a personalidade da própria artista.


"O trabalho no prédio da FBT requer agilidade e maestria, pois estamos lidando com artigos importantes do teatro brasileiro. O ritmo foi prejudicado porque dependemos praticamente da luz solar. Sem energia elétrica, ficamos condicionados ao horário em que as janelas emitem a luz natural. Por ser uma equipe pequena, tivemos que fazer uma espécie de roteiro de ações pra dar conta de tudo. Após fazer a limpeza dos artigos, veio outra dificuldade: encontrar mobiliário adequado pra guardar todo esse acervo recém catalogado", explica o professor e ator Roberto Sá, um dos pesquisadores voluntários que participaram da primeira etapa de investigações. O grande sonho de Dulcina, que além de atuar era uma militante ativa na busca de reconhecimento e na evolução da classe artística, era abrir uma Fundação. Assim, em 1955, Odilon comprou o Teatro Regina, situado no Centro do Rio de Janeiro, trocou o nome para Teatro Dulcina e doou o empreendimento para que fosse possível criar a Fundação Brasileira de Teatro (FBT). Ainda no Rio de Janeiro, a Fundação Brasileira de Teatro ajudou a formar importantes nomes das artes cênicas e com a morte de Odilon, em 1966, Dulcina decidiu mudar os rumos da vida e começou a preparar sua mudança para Brasília. Nessa mudança, ela trouxe também os álbuns de fotografia de peças realizadas por sua companhia no Rio de Janeiro. Dentre elas, os bastidores da primeira montagem de “O Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna, no Sudeste. São fotos da década de 1950 com Agildo Ribeiro (João Grilo), Nildo Parente e Odilon Azevedo. Um recorte do teatro brasileiro que nunca veio à tona na contemporaneidade. A partir do momento em que o material foi divulgado, artistas como Otávio Augusto, Natália Timberg e Fernanda Montenegro se juntaram ao levante para enaltecer Dulcina, cada qual à sua maneira, seja por compartilhamentos das ações de recuperação do acervo a dicas de quem procurar para ajudar a contar histórias que estão ainda incompreendidas. Numa das matérias de maior repercussão, exibida no Jornal Hoje no mês de setembro, Fernanda Montenegro exalta a força de Dulcina, a quem atribui o título de sacerdotisa teatral. A atual gestão da FBT, que conta com a participação de membros de um coletivo chamado “Herdeir@s de Dulcina”, vem imprimindo rigor e transparência nas suas ações, buscando a solução das pendências jurídicas e financeiras para com isso, conquistar a confiança necessária junto aos credores. O maior desafio do atual presidente da FBT, Gilberto Rios, é obter credibilidade do empresariado para que a FBT volte a ser fonte segura de investimentos.

A gestão FBT está mobilizada para ser recebida pela diretoria da Neoenergia para que o cálculo da dívida seja atualizado e negociado, pois a ausência de luz é um dos principais desafios para que a Faculdade e o Teatro possam ter recursos para existir, tanto no segmento de educação, quanto no segmento de produção cultural. Enquanto isso não acontece, os gestores da FBT arregaçam as mangas na procura de parcerias culturais para que as obras e objetos encontrados possam ser devidamente catalogados, restaurados, preservados e colocados à mostra para o grande público. “É preciso que o governo do Distrito Federal, seja de direita ou de esquerda, entenda que, no centro de Brasília, há um prédio de relevante importância para as artes do Brasil. Negligenciar essa importância é continuar desvalorizando o teatro. Temos o catetinho, temos o Museu Vivo da Memória Candanga, temos o Memorial JK e não temos olhares responsáveis para o Teatro Dulcina. Já passou da hora do espaço que formou quase 70% dos professores de arte de Brasília ser abraçado, verdadeiramente, pelos representantes da câmara legislativa, da Secretaria de Cultura e do Palácio do Buriti.” comenta Josuel Junior, atual Diretor do Centro Cultural FBT. Aliados a ex-alunos, artistas de Brasília, do Rio de Janeiro, pesquisadores, estudantes de arte e sociedade estão em andamento estudos para a realização de projetos para a encenação teatral a partir dos Diários de Dulcina, uma exposição itinerante pelos espaços culturais do DF, um webdocumentário e outros projetos relativos ao acervo original, que passam a depender de autorização formal da diretoria da FBT. Essa preocupação tem por objetivo deixar claro que a Fundação é entidade detentora do direito de difusão desse acervo. DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TEATRO PRESIDENTE: Gilberto Rios SECRETÁRIO EXECUTIVO: Roberto Neiva DIRETOR ADMINISTRATIVO: Miguel Alves DIRETOR DO CENTRO CULTURAL FBT: Josuel Junior GESTORA FINANCEIRA: Vivien de Lima

Comments


bottom of page