EM DEZEMBRO, O PÚBLICO PODERÁ ASSISTIR À PEÇA "O HOMEM QUE MATOU LIBERTY VALANCE"

Mário Bortolotto dirige clássico western ‘O Homem que Matou Liberty Valance’, de Jethro Compton, com estreia na plataforma Teatro Sérgio Cardoso Digital.

Cri Jatobá

A relação peculiar e turbulenta entre a sociedade e a política é pautada pela peça western “O Homem que Matou Liberty Valence”, do escritor e diretor de teatro britânico Jethro Compton, que ganha uma versão online dirigida por Mário Bortolotto. O espetáculo é transmitido gratuitamente, por meio da plataforma Teatro Sérgio Cardoso Digital, entre os dias 2 e 19 de dezembro, de quinta a domingo, às 21h. O elenco é formado por Bianca Bin, Sergio Guizé, Carcarah, Heloisa Lucas, Eldo Mendes, Walter Figueiredo e o próprio Bortolotto.


A obra de Compton é baseada em um conto escrito na década de 1950 pela premiada autora norte-americana Dorothy M. Johnson (1905-1984). O texto também foi adaptado para o cinema em 1962, com o título “O Homem que Matou o Facínora”, dirigido por John Ford e com roteiro de Warner Bellah e Willis Goldbeck.


A trágica história de amor se passa em 1890 na cidade de Twotrees, no Velho Oeste americano, mais especificamente no Saloon de Hallie, que recebe a visita inesperada do velho pistoleiro Bert Barricune. Ele carrega no lombo de seu cavalo a carcaça maltratada de Ransome Foster, que foi brutalmente espancado no deserto.


Esse jovem educado em Nova Iorque partiu rumo ao oeste selvagem em busca de uma vida nova, mas foi recebido pela dura realidade das planícies empoeiradas. Depois de ser salvo por Hallie Jackson ele encontra novos propósitos. Mas será que isso será suficiente para fazê-lo enfrentar a gangue do fora da lei Liberty Valance?


Ainda inédito no Brasil, o espetáculo dialoga com a pesquisa que o Cemitério de Automóveis desenvolve desde 2012, quando passou a investigar textos estrangeiros com intuito de abrir a possibilidade de intercâmbio entre manifestações teatrais que se enquadram na linguagem realista adotada pelo grupo ao longo de seus quase 40 anos de trajetória.


Essa investigação já resultou nos espetáculos “Mulheres” (2012), a partir do romance homônimo de Charles Bukowski; “Killer Joe” (2014), de Tracy Letts; “O Canal” (2015), de Gary Richards; “Criança Enterrada” (2016) e “O Oeste Verdadeiro”, ambos de Sam Shepard; e “Birdland” (2018), de Simon Stephens.


QUEM FAZ

Dramaturgia: Jethro Compton

Direção artística: Mário Bortolotto

Elenco: Bianca Bin, Sergio Guizé, Carcarah, Mário Bortolotto, Heloisa Lucas, Eldo Mendes e Walter Figueiredo

Concepção de Iluminação: Caetano Vilela

Concepção Cenográfica: Mariko Ogawa e Seiji Ogawa

Sonoplastia original: Noa Stroeter

Figurino: Vanessa Deborah Hudepohl

Produção Executiva e Coordenação de pesquisa: Carcarah

Gestão do projeto e Produção: Isabela Bortolotto

Direção de Produção: Paula Klaus

Operador técnico: Ademir Muniz

Cenotécnico: Caique Duran

Direção, captação e edição audiovisual: Cauê Angeli

Tradução: Ana Hartmann

Fotos para divulgação: Cri Jatobá

Programação visual: Vanessa Deborah Hudepohl

Assessoria de imprensa: Agência Fática - Bruno Motta Mello e Verônica Domingues

PROGRAME-SE

Teatro Sérgio Cardoso Digital

Temporada: 2 a 19 de dezembro

De quinta a domingo*, às 21h

Ingressos: Grátis, devem ser retirados antecipadamente pelo link https://site.bileto.sympla.com.br/teatrosergiocardoso/

Duração: 90 minutos

Gênero: Drama

Classificação etária: 16 anos

Acessibilidade: legendagem descritiva

*Há um bate-papo online com o elenco todos os domingos após a sessão

Redes Sociais TSC

Instagram | Facebook | Site

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...