top of page
  • davicdm

CORTEJO MUSICAL PASSA PELO PARANOÁ E CEILÂNDIA, CELEBRANDO A NOSSA CULTURA POPULAR

As Agbelas, que promoveram oficinas percussivas pela cidade, encerra o projeto com apresentações pelo DF

Foto: Kelton Gomes

O projeto Toques Percussivos – Danças, Movimento e o Agbês, das Agbelas, encerra o seu ciclo de oficinas com cortejos musicais pela cidade, com um grupo de artistas caminhando e musicando as ruas por onde passam. As aulas foram ministradas na Ceilândia, Paranoá e Setor Comercial Sul, com mais de 80 alunos, de todas a idades, que aprenderam a história e os toques de diversos ritmos afro brasileiros, como o Maracatu, Samba, Ijexá, Congo de Ouro, Funk e Samba-Reggae. O projeto, que procurou descentralizar o acesso à cultura com suas aulas, se encerra na mesma energia, com cortejos formados por alunas e alunos, e que celebram e valorizam os territórios e espaços por onde passou. No dia 05 de novembro, sábado, o cortejo caminha pela Praça da Bíblia, às 10h, no Paranoá; tendo como convidados a Mestra Martinha do Coco e o grupo percussivo Batida do Contorno; e às 16h, o grupo segue para o Cio das Artes, na Ceilândia, com a participação das Filhas do Funk e a Capivareta Repercussiva. As apresentações também contam com tradução em libras.


Sobre Agbelas

Agbelas é uma iniciativa e uma comunidade de pessoas com um interesse em comum: descobrir sobre o Agbê e toda a potência ancestral que ele carrega. As Agbelas pesquisam, praticam e ensinam ritmos, toques e a confecção do instrumento,, afrocentrado. Fundada por Gio Paglia, arte educadora, ativista e percussionista preta especializada no instrumento Agbê. Gio espalha pelo DF e pelo mundo os saberes ancestrais e encantos desse poderoso instrumento africano, e tem desenvolvido um método sensível e único de experiência musical afro percussiva com o Agbê. Gio aborda o agbê como um presente, um legado de matriz africana. Assim, procura promover a preservação dos saberes sobre os instrumentos e ritmos afro-brasileiros, fortalecendo sua origem africana, perpassando as dimensões históricas, sociais e tradicionais desse instrumento. É integrante da Fanfarra Tropicaos e Calango Careta, é também regente do bloco Capivareta Repercussiva e participa da Orquestra Marafreboi. Já tocou na Nação de Maracatu Leão da Campina (PE), nas Filhas de Oyá e no Baque Mulher Brasília.


PROGRAME-SE

Cortejo de Encerramento Toques Percussivos – Danças, Movimento e o Agbê - Agbelas

QUANDO: 05 de novembro de 2022

ONDE:

Paranoá: 10h, na Praça da Bíblia

Ceilândia: 16h, no Cio das Artes


Commentaires


bottom of page