COLETIVO ESPERANZA APRESENTA "BODAS DE SANGUE" SOB O OLHAR FEMININO

Produção on-line do Coletivo Esperanza traz adaptação de clássico de Garcia Lorca com foco no olhar feminino.

Uma noiva foge com seu amor do passado, Leonardo Felix, no dia do seu casamento. O noivo, rejeitado e enfurecido, sai à caça do casal. Ao encontrá-los, noivo e amante travam uma briga que acaba em morte trágica aos pés da mulher amada. Inspirado no eterno clássico Bodas de Sangue, do espanhol Federico García Lorca (1898-1936), o espetáculo Bodas de Sangue coloca a figura feminina como ponto central da narrativa para retratar essa história em três atos de amor e tragédia.


Em cena, elas - atrizes do Distrito Federal e de Goiás - se revezam nos papeis para dar vida aos personagens. Com direção de Tiago Venusto, a produção do Coletivo Esperanza traz as atrizes Alana Ferrigno, Alzira Bosaipo, Beta Rangel, Glednna Fernanda.


Em atividade desde 2013, o Coletivo Esperanza nasceu na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes em Brasília – Distrito Federal, composto por artistas formados em diferentes épocas na Faculdade. O foco de pesquisa do Coletivo desde então, foram as confluências entre arte e tecnologia e os textos de Garcia Lorca em seu pulsante diálogo com questões relacionadas ao comportamento humano: encontros, desencontros, paixão, poesia, violência, sociedade e família. A primeira montagem do Coletivo, o espetáculo Provável Paraíso Perdido, obteve em Março de 2019 o prêmio de 2º lugar de melhor espetáculo adulto do Distrito Federal.


O espetáculo Bodas de Sangue é livremente inspirado na obra do autor espanhol Federico Garcia Lorca e no universo de pensadoras e pensadores do movimento surrealista. Lorca escreveu o texto Bodas de Sangue em 1933 a partir de uma notícia de jornal sobre uma trágica história de matrimônio. Nas investigações realizadas pelo Coletivo Esperanza, percebeu-se que na maioria das noticias de violência que envolve mulheres no Brasil e em diversas partes do mundo, seus nomes e rostos são invisibilizados, sendo retratadas como simplesmente a namorada, mulher, filha de alguém.


Nesta montagem, o grupo mergulhou em uma pesquisa sobre arquétipos femininos e seus estereótipos como forma de engessamento dos papéis sociais e de gênero, o que resultou na proposta de colocar a figura feminina como ponto central da narrativa, contando a história de Bodas de Sangue a partir da perspectiva do olhar feminino: os laços familiares, o papel social da mulher, a função do matrimônio na sociedade e uma tragédia amorosa que discute a liberdade, as imposições comportamentais e a solidão.


Pensada especialmente para a linguagem audiovisual, esta montagem de Bodas de Sangue utiliza-se de recursos tecnológicos como vídeoartes e som 4D - muito comuns no cinema, dando ao espectador a sensação de estar dentro da ação. O resultado da pesquisa desenvolvida pelo grupo é um espetáculo teatral que envolve múltiplas linguagens artísticas (teatro, instalação, música e cinema), lançando assim um novo olhar sobre o texto clássico e formando uma mescla perfeita entre o clássico e o contemporâneo. Bodas de Sangue é uma viagem ao mundo dos artistas surrealistas e utiliza a tecnologia para contar a clássica história de uma maneira surpreendente.


PROGRAME-SE

A adaptação on-line do Espetáculo poderá ser conferida gratuitamente nos seguintes dias:

DIA 31/08/21 às 16h no Festival Claque do SESC-GO

Onde assistir: Pela plataforma Teams, link disponível no Instagram do Coletivo Esperanza.

Neste dia, haverá um debate com o grupo sobre seus processos de criação.


DIA 14/10/21 às 18:30 no Festival Funarte de Teatro Virtual

Onde assistir: Canal do Youtube da Funarte

SITE DO COLETIVO: https://coletivoesperanza.com/ INSTAGRAM: @coletivoesperanza

1/3