AMOR E FÚRIA EM ENSAIO FOTOGRÁFICO NO SOL NASCENTE

O fotógrafo Anderson Morais realizou um ensaio fotográfico potente com o casal de músicos Realleza e Henrique QI, revelando a arte, a poesia, o amor e a fúria que existem na quebrada. Confira os cliques!

Por Anderson Morais

Numa chamada realizada pelas redes sociais, o fotógrafo Anderson Morais ofereceu seus serviços de maneira diferenciada nesse período de pandemia. Com a proximidade do dia dos namorados, ele teve uma ideia de um projeto: Fotografar o amor! Toda e qualquer manifestação de amor.


O projeto consiste em clicar diferentes casais num ensaio que seja romântico e representativo. Para isso, pensou em toda a logística necessária para manter a segurança de todos os envolvidos. O primeiro passou foi explicar pelas redes sociais as etapas do projeto. Anderson conversa com os interessados por videochamada e, juntos, bolam alguma ideia, elaboram as estratégias conceituais, estéticas e operacionais e só a partir disso ensaio é marcado. Essa conversa anterior é importante para que o ensaio seja o mais prático possível. Anderson chega de carro ao local marcado já com sua máscara, equipamento e seu kit de higiene pessoal. Enquanto monta o set, os modelos se preparam e o ensaio ganha forma. Dessa maneira, ele consegue realizar o trabalho em segurança e mantendo uma distância de 2 metros dos modelos, conforme recomenda a OMS.


Anderson tem 27 anos, é formado em Fotografia no curso Tecnológico do IESB, e, antes da crise, fazia parte da equipe da boate Victoria Haus, que precisou dispensar alguns colaboradores. Enquanto não poder voltar a trabalhar no escritório e nas festas, seguirá produzindo ensaios com valores mais em conta.


Os ensaios começaram a acontecer....


Na cidade do Sol Nascente, o que era pra ser uma sessão fotográfica pontual se transformou numa potente tríade de AMOR, RESISTÊNCIA e CONSCIÊNCIA. Lá, Anderson encontrou um casal de cantores. Esse encontro rendeu muitas imagens belas e significativas.


Ela é moradora da cidade do Sol Nascente e conhecidíssima na cena musical local, desenvolvendo projetos musicais, palestras, debates e demais ações que fortalecem a arte nascida na periferia. Estudante do 9ª semestre de Direito, Rebeca se transforma em Realleza nos palcos.


Ele é rapper, compositor e produtor. Morador do Recanto das Emas, é também parceiro de vida e de trabalho de Realleza. Henrique QI está na estrada musical há alguns anos com o Grupo QI.


Obviamente só poderia sair coisa boa desse encontro de ideias e talentos. Eles circulam por diferentes lugares com suas músicas, dão palestras sobre arte e empoderamento, participam de mesas de debates e, com a sensibilidade de quem vive na periferia, percebem quando há um olhar "exotizado" para com eles. E é quando esse tipo de situação acontece que eles se fazem presentes com um discurso forte e coerente.


"A gente, como artista, quer conversar com o público. Como se a gente falasse uma só coisa. A gente sabe falar de nosso lugar. Somos diversas inteligências e somos todas elas. Na arte, por exemplo, somos a engrenagem de muitos projetos", defende Realleza.

Eles têm feito música dialogando com a plataforma online, como muitos outros artistas nesse momento de isolamento social, porém, têm também a consciência de que o trabalho que exercem requer um diálogo direto com a rua.


"Nossa música é da quebrada, é o olho no olho, é formar roda, é dialogar frente a frente. Por mais que a internet expanda o conteúdo musical, a rua é que fortalece a produção, é onde a gente fala com quem tá perto. Como a plataforma mudou, a gente trabalha dobrado, pois as novas estratégias requerem novas investigações de diálogo", comenta QI.


Sobre o ensaio fotográfico, Realleza e Herique QI tiveram a indicação de Anderson justamente pela internet. Já na locação, a fotografia ganhou forma e conteúdo.


"Sobre o ensaio, não tinha como não ser bom. A gente quis falar de amor, de sorriso e de arte na quebrada. Autoafirmação, resistência, assumindo quem somos. Nas fotos, estávamos os três numa mesma sinergia. O Anderson foi maravilhoso. Saiu com o pé cheio de terra. Ele viu de perto nossos bastidores", lembra Realleza.


Já Anderson comenta que também se surpreendeu com o resultado:


"Eu tinha ideia de como fotografar, mas não tive ideia do quanto ia ficar lindo. O casal tinha uma sintonia sem nada igual. Cada olhar rendia vários cliques. Assim que eu via a foto na tela da câmera, minha reação já era momentânea. Não cansava de elogiá-los".


A escolha do figurino branco também foi estratégica. É uma metáfora e um realidade ao mesmo tempo, pois mostra como é a vida e o amor na poeira da terra vermelha. É o retrato da rotina de quem convive nas periferias do DF. Barro e lama também fazem parte do dia-a-dia. Realleza é categória ao falar disso:


"É o amor na poeira-terra. Viver na periferia é dialogar com o barro de outra maneira. Nós somos feitos de barro em vários sentidos... Religiosos, culturais, científicos. Por sermos de barro, não somos valorizados por quem só quer ver ouro."


A união é o ponto forte do projeto, que consiste em clicar diferentes casais, diferentes amores e diferentes pontos e vista. Anderson já começou a colher bons frutos com a ideia de fotografas casais a um preço mais barato, em decorrência da pandemia. Após soltar as chamadas nas redes sociais e algumas prévias dos ensaios, o burburinho começou e novos casais e modelos individuais se interessaram em também terem uma sessão exclusiva.

Casais fotografados no DF.

Essa união de diferentes linhas de trabalho e o discurso de amor e resistência fizeram de uma sessão fotográfica uma verdadeira aula de respeito e empatia nesse momento em que o país é assolado por tantas tragédias nos setores de responsabilidade social, da saúde, dos direitos humanos e da cultura.


"Todas as lutas são importantes, mas sem amor não tem base. Na luta contra o racismo, é o amor que está na pauta. Na luta contra a LGBTfobia, é o direito ao amor que está na pauta. Só que com a luta pelo amor também vem a fúria. Somos isso: amor e fúria. Resistência e amor" - finalizam Realleza e QI.


E se você também quer ter um ensaio fotográfico exclusivo para celebrar o Dia dos Namorados, já sabe quem chamar, não é? Anderson Morais monta a agenda de sessões semanalmente. Basta entrar em contato com ele pelo Direct do Instagram @andersonmoraisph ou via WhatsApp (61) 98210-6582. O Portal Conteúdo garante que você e o seu amor não vão se arrepender


*Ainda nesta semana, o Portal Conteúdo fará uma nova matéria sobre o casal de artistas Realleza e Henrique QI e seus novos trabalhos. Por enquanto, encerramos a matéria com os versos da nova música deles, uma parceria ainda sem título:


"Nessa ditadura

Seremos uma história de amor e fúria

Ditadura - Seremos uma história de

amor e fúria

Nessa ditadura só tem duas soluções

Eu quebro as correntes e você quebra os padrões."

1/5

© 2019 - Conteúdo - Portal de Cultura e Arte de Brasília e do Brasil

 Editado por Josuel Junior e colaboradores       I     Web Designer: Caio Almeida

  • Instagram B&W

Para sugestão de pauta, envie release o e-mail:

falecomportalconteudo@gmail.com