"AGNES & ALICE" - SOLO DE DANÇA DE ELIANA DE SANTANA

Entre a hiperexposição na internet e o total esvaziamento dos palcos, a Cia segue com sua investigação sobre a temática do sujeito anônimo, aquele que tende a ser invisibilizado e a ocupar papéis restritos e pré-determinados na sociedade contemporânea.

Foto: Hernandes de Oliveira

A obra Agnes & Alice é parte da pesquisa realizada pela E² Cia de Teatro e Dança cujo tema e inspiração - artes plásticas e música - contribuem na construção de uma poética ligada às questões do acaso na criação e à temática do sujeito anônimo. Os temas estão representados, nesta obra, pelas figuras da pintora Agnes Martin (1912 - 2004) e da pianista e compositora Alice Coltrane (1937 - 2007). Ambas foram artistas que escolheram o isolamento e a busca interior para trabalhar em suas respectivas obras. A performance será veiculada pelo Youtube do Portal Mud (youtube.com/museudadanca) a partir do dia 13 de agosto, sexta-feira, 20h. Até o dia 24 de agosto, o vídeo estará disponível neste mesmo canal em tempo integral. Em cena, está Eliana de Santana, intérprete e diretora da obra.

A adaptação, agora na linguagem de vídeo, demandou que o trabalho fosse remontado e filmado numa sala de exposições do Centro Cultural São Paulo. "A pesquisa de dança passava pelas artes plásticas e, nessa nova versão, exigiu também que passássemos pela linguagem artística audiovisual", lembra Hernandes de Oliveira, diretor de arte. A pesquisa para a confecção do espetáculo, cuja dramaturgia é amparada nas ações de um corpo afetado pelo ambiente e o tempo da apresentação, busca traçar um paralelo entre a dança e as artes visuais.

Nesta versão online, uma nova figura histórica também passou a fazer parte das inspirações do grupo: trata-se de Vivian Maier, fotógrafa norte-americana que se especializou na chamada street photography. Por muito tempo ela trabalhou como babá, embora andasse sempre acompanhada de uma câmera, que usava durante seus passeios, registrando a vida em Chicago secretamente. Seu trabalho como fotógrafa foi ignorado em vida e, após sua morte, foram encontradas centenas de vídeos e fotos que se tornaram material de referência na área da fotografia. "O trabalho de Vivian com sombras, enquadramentos e desaparecimentos tem tudo a ver com a nossa pesquisa e com a conversão do trabalho em vídeo", conta Eliana.

A artista conta que esse trabalho, assim como os demais da E² Cia de Teatro e Dança, assume um lugar processual, de desenvolvimento mesmo após a estreia, absorvendo assim novas informações que sejam relevantes para a construção artística. Em Agnes & Alice, o assunto do desaparecimento se dá tanto pelas escolhas das artistas quanto pelos elementos cênicos;


CONTEXTUALIZANDO

Agnes Martin e Alice Coltrane escolheram o isolamento e a busca interior para trabalhar em suas respectivas obras. No espetáculo, a busca pelo esvaziar-se (no sentido simbólico que os poetas e místicos dão a esta expressão) resulta na construção de um corpo/espaço traduzidos como permanência, feminino, vazio, desaparecimentos.

Agnes Martin foi uma pintora americana nascida no Canadá cuja obra foi definida como um "ensaio com discrição sobre interioridade e silêncio". Martin é considerada uma referência para a pintura abstrata minimalista e seu caminho foi marcado por uma vida dedicada à solidão, o que se reflete em suas obras, influenciadas pela filosofia zen e que apontam para um lugar de desaparecimentos.

Alice Coltrane foi uma artista negra americana, pianista reconhecida como um dos grandes nomes do jazz e da música instrumental, e que, em dado momento, aderindo ao hinduísmo, guiou sua própria sonoridade na direção de escalas e estruturas cada vez mais orientais – apontando para a natureza religiosa que seria o norte de sua vida até seu desaparecimento - criando uma música de ligação com o divino.


CONHEÇA A E² CIA DE TEATRO E DANÇA

A E2 Cia de Teatro e Dança, dirigida por Eliana de Santana, é um núcleo atuante na cidade de São Paulo desde 1996. Realiza uma pesquisa em dança contemporânea que tem como ponto de partida a referência/inspiração na literatura brasileira e na obra de diversos artistas visuais, investigando poéticas ligadas à temática do sujeito anônimo.

Artista da cena, intérprete e coreógrafa, Eliana da Santana iniciou-se no teatro em 1984, estudando e trabalhando com diretores como Antunes Filho (CPT), Antônio Abujamra (no espetáculo “A Serpente”) e Gerald Thomaz (no espetáculo “Un Glauber”). Em 1996 estreia “Tragédia Brasileira”, seu primeiro trabalho autoral de dança, inspirado em texto homônimo de Manuel Bandeira, pesquisa que teve apoio da Bolsa Rede Stagium. Criou o solo “Das Faces do Corpo”, inspirado na obra fotográfica de Arthur Omar, pesquisa contemplada com a Bolsa Vitae de Artes.

Em novembro de 2006 estreia o trabalho “Francisca da Silva de Oliveira – Chica da Silva – Um Esboço”, pesquisa contemplada com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna. Em 2008/2009, Eliana de Santana cria “... e das outras doçuras de deus”, inspirado em crônicas de Clarice Lispector. Com este espetáculo Eliana recebeu em 2011 o Prêmio APCA na categoria Intérprete Criador em Dança.

QUEM FAZ

Direção geral e Interpretação: Eliana de Santana

Direção de arte e edição de vídeo: Hernandes de Oliveira

Captação de imagens: Priscila Magalhães (no Centro Cultural São Paulo), Hernandes de Oliveira e Eliana de Santana

Produção: E² Cia de Teatro e Dança e Associação Cultural Corpo Rastreado

PROGRAME-SE

Agnes & Alice

Estreia: 13 de agosto, sexta-feira às 20h Temporada: De 14 a 24 de Agosto, em tempo integral Acesso: Youtube do Portal Mud - youtube.com/museudadanca

Duração: 30 minutos

Classificação indicativa: Livre

1/3