ADRIANO ROCHA LEVA O PROJETO "LITERATURA NA MPB" PARA ESCOLAS DO DF

As apresentações serão realizadas em escolas da rede pública de Planaltina, Sobradinho e Sobradinho 2.

Escola é lugar de quê? De música. Isso mesmo, ao menos se depender do artista Adriano Rocha, idealizador do projeto "Literatura na Música Popular Brasileira", realizado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC). Adriano, que estará acompanhado dos músicos José Cabrera (teclados), Deth Santos (bateria) e Gean Carlos (baixo), selecionou um repertório todo inspirado na literatura – em livros, poemas e fragmentos. Em cada unidade escolar, os estudantes receberão o programa com a letra e a história de cada composição.

Alguns exemplos são “Funeral de um lavrador”, poema do livro Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto, musicado por Chico Buarque, e “E agora, José?”, poema de Carlos Drummond de Andrade musicado por Paulo Diniz. Os alunos também saberão um pouco mais sobre “Caçador de mim”, de Sérgio Magrão e Luiz Carlos Sá, com interpretação de Milton Nascimento. Os autores se inspiraram em O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger. E Réquiem para Matraga, música de Geraldo Vandré inspirada em Sagarana, de João Guimarães Rosa, traz a força desses dois mestres da arte musical e literária brasileira.

Adriano Rocha conta que na sua infância, já apaixonado por música, foi ainda mais influenciado pelos festivais da sua escola. “Acredito nessa influência. É uma forma de aproximar os estudantes da literatura por meio da música, quebrar esse gelo que, infelizmente, existe. E, claro, aproximá-los, também, do mundo da música. Quem sabe algum talento não seja despertado.”

As apresentações serão realizadas em escolas da rede pública de Planaltina (CED 3 e CEM 1), Sobradinho (CEF 3 e CEM 1) e Sobradinho 2 (CED 4 e CEF 8), especificamente para a comunidade escolar, além da Vila Rua do Mato e da feira permanente do Engenho Velho (Fercal-DF), ainda sem datas definidas, em versões abertas ao público.

Sobre o artista:

Adriano Rocha, que vive de música desde os 18 anos, sempre defendendo a MPB, nasceu e cresceu eu São José da Vitória (BA), onde iniciou a sua trajetória com o violão. Chegou a Brasília em 1995. Aqui, abriu shows de João Bosco, pelo Projeto MPB Petrobras – na sala Villa Lobos do Teatro Nacional; de Alceu Valença, no Taguatinga Shopping; de Chico César, no Terraço Shopping; e de Tom Zé, no Conjunto Nacional, entre outros. Em 2016, ganhou o prêmio de melhor letra no Festival de Música da Nacional FM, com a composição “Eterna musa”. Seu primeiro CD, Adriano Rocha & a Catraca, foi lançado em 2019, pelo FAC-DF.

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...