top of page

A LIBERDADE DOS CORPOS MASCULINOS NA DÉCADA DE 1980

De volta em cartaz, mas com novo foco, exposição Olhares Pra Dança valoriza memórias da dança cênica na capital goiana.

Cena de O Guarani, no espetáculo Voo Cênico (1982) - Grupo Via Láctea

Olhar para a dança que foi produzida em Goiânia, revisitar a história - e as histórias – que são contadas por aqueles que vivenciaram períodos de efervescência cultural na cidade. Assim é a proposta do acervo Olhares pra Dança, que no dia 11 de outubro estreia a exposição Masculinidades na dança, inventividade e fricção na década de 1980 em Goiânia no Instituto Rizzo e tem apoio do Fundo de Arte e Cultura de Goiás. A abertura tem início às 19h e a temporada segue até 11 de novembro. O horário de visitação é de segunda a sexta, das 08h às 18h, com entrada gratuita.


Com curadoria das professoras e doutoras Luciana Ribeiro (IFG Aparecida de Goiânia) e Valéria Figueiredo (UFG), Olhares Pra Dança - Masculinidades na dança, inventividade e fricção na década de 1980 em Goiânia traz as 22 imagens que fizeram parte da primeira exposição, realizada em 2017. E para compor o novo recorte desta edição, sobre masculinidade na dança na década de 1980, acrescenta mais imagens e textos sobre os grupos Via Láctea, Energia e a vinda do coreógrafo Victor Navarro a Goiânia.


Masculinidade na dança

Numa época em que academias de dança eram muito tradicionais, com rigidez em movimentos, vestimentas e comportamentos, um espetáculo ousava em colocar homens dançando apenas de tapa sexo em movimentações viscerais. Era “Paixão”, obra do coreógrafo espanhol Victor Navarro, que teve estreia nacional no Teatro Goiânia, em 1982, conquistando público e crítica.


Ao seu lado, uma figura importante na dança goianiense. Julson Henrique, bailarino e coreógrafo do grupo Energia, pesquisava uma dança que não era tão pautada pela técnica, mas por um contexto que ia além e envolvia desejo, sentimento e musicalidade.


De acordo com a pesquisadora e curadora da exposição Luciana Ribeiro, a liberdade que a década de 1980 proporcionou aos corpos masculinos, que mostrava em cena seus traços, pelos, contornos e particularidades, foi algo que chamou a atenção da curadoria. A partir de então surgiu a vontade de mostrar essa parte da história aos goianienses: “Aqui, a masculinidade não é pautada numa delimitação de gênero, mas sim num exercício cultural, de construção de uma masculinidade que pode transitar e dialogar com o feminino. O ponto central foi a evidência de corpos masculinos vivendo uma liberdade. Tudo muito encantador, ao nosso ver”, comenta.


Primeira edição do Olhares Pra Dança, em 2017

O projeto Olhares Pra Dança teve sua primeira edição no ano de 2017. Na ocasião, a inspiração da exposição partiu de grupos e artistas da dança goianiense que provocaram o surgimento e as inserções estéticas modernas e contemporâneas e atuaram entre 1970 e a primeira década dos anos 2000.


Depois de três semanas em cartaz na galeria do Centro Cultural da UFG, Olhares Pra Dança - histórias e afetos da dança cênica goianiense 1970-2000, levou aproximadamente mil pessoas a acessarem as memórias da dança na capital.


Olhares Pra Dança é um projeto apoiado pelo Fundo de Arte e Cultura de Goiás e um trabalho de pesquisa, registro, sistematização e publicização de histórias e memórias da dança cênica na capital. Fica aberto a visitações de 11 de outubro a 11 de novembro no Instituto Rizzo, de segunda a sexta, das 08h às 18h, com entrada gratuita. Todas as imagens que compõem a exposição serão disponibilizadas também em acervo digital através do site do projeto.


A exposição deste ano traz obras inéditas do artista plástico Danilo Butas feitas especialmente para o Olhares Pra Dança. Luciana Ribeiro e Valéria Figueiredo assinam a curadoria, e Lu Celestino e Sabrina Del Bianco conduzem a produção.

PROGRAME-SE

Exposição: Olhares Pra Dança – Masculinidades na dança, inventividade e fricção na década de 1980 em Goiânia

Abertura: 11 de outubro, às 19h

Período: 11 de outubro a 11 de novembro de 2022

Local: Instituto Rizzo

Endereço: Av. Cora Coralina, 242 - St. Sul, Goiânia - GO, 74080-100

Horário de visitação: Segunda a sexta, das 08h às 18h

Entrada gratuita

Mais informações: e-mail: olharespradanca@gmail.com


Equipe de Ação Educativa - Agendamento de visita para instituições

Para instituições e escolas que desejam conhecer a exposição, é possível fazer agendamento de visitas. Basta entrar em contato com Otair Silva - whatsapp (64) 993190350


Comments


bottom of page