ÁUREA MARTINS E SEU NOVO DISCO: SENHORA DAS FOLHAS/ SP

Áurea Martins faz mergulho no universo do sagrado feminino das rezadeiras e enzedeiras, num repertório que vai de bendito medieval a Projota, de Flaira Ferro a Arlindo Cruz.

Arte sobre fotos de Ronaldo Fraga

ÁUREA MARTINS é uma artista diamantífera, única. Nascida para a música no contexto da bossa-nova, uma das únicas cantoras negras da cena, com mais de 50 anos de shows, 9 discos solo, inúmeras participações em outros, Prêmio de Melhor Cantora no PMB 2009, um curta metragem sobre sua vida com mais de 21 prêmios (inclusive de melhor atriz), em 2022 Áurea comemora 82 anos como se debutasse, cheia de vigor e energia telúricos, lançando disco e fazendo lives ao lado de parceiros cinco décadas mais jovens. "A vida toda tive que me reinventar. A volta ao mundo em 80 dias é para os fracos, a volta ao mundo é em 80 lives!" diz ela. Áurea sabe que seu tempo de colher é hoje. Ela está vivíssima. E dando frutos.

Em SENHORA DAS FOLHAS (Biscoito Fino / Natura Musical), ÁUREA MARTINS encarna o feminino curador em canções que homenageiam as rezadeiras, curandeiras e benzedeiras do Brasil, mulheres-matriz fundamentais no esgarçado tecido social deste país profundo. No repertório, Incelenças do sertão de Minas Gerais e bendito medieval ganham roupagem luxuosa e camerística que une viola caipira, violoncelo e viola da gamba e se unem a canções ultrajovens como “A Rezadeira” do rapper Projota e “Ponto das Caboclas de Camila Costa”, à um canto do povo Parakanã e um poema da etnia Macuxi, sambas de lá do recôncavo e daqui do Rio de Janeiro, compondo um disco surpreendente e contemporâneo, reverente e iconoclasta, que tece como num bordado o diálogo entre os imaginários urbano e rural do país. Unindo os vários Brasis e as duas pontas da vida, Áurea visita sua ancestralidade e ganha o terreiro do qual é rainha por herança e direito: o solo fértil das miscigenações afro-indígenas, caboclo-encantadas, orixás-pajé, recebendo de braços abertos o novo. O disco faz contato com a nossa essência formativa e ilumina o lugar da mulher como protagonista e guardiã dos saberes deste país diverso. Estabelecendo a possibilidade real de elevar a potência do seu alcance na cena nacional, para ser universal, Áurea fala da sua aldeia.

RAÍZES – ancestralidade

Foi como cantora da noite que Áurea Martins construiu o refinamento curtido de sua voz. Vê-la encarnada agora, aos 82 anos, como sacerdotisa da floresta, benzedeira, ialorixá, anciã indígena, tia da comunidade, ao longo das 11 faixas deste álbum, é revelador porque nos apresenta uma face de sua alma até então oculta — para nós e para a própria Áurea.


Seu canto em “Senhora das folhas” soa novo em folha por nos revelar com nitidez sua essência — o disco, dedicado ao universo amplo das rezadeiras — é atestado dos tempos, ventos e folhas que cabem na voz de Áurea.


“Senhora das Folhas” nasceu do desejo de Renata Grecco, idealizadora e diretora artística do álbum, de lançar luz sobre este recorte da teia invisível de saberes populares tradicionais femininos, que atravessa o Brasil.

OUÇA DO ÁLBUM: https://orcd.co/senhoradasfolhas


QUEM FAZ

Direção artística, idealização do projeto: Renata Grecco

Direção e produção musical: Lui Coimbra

Arranjos: Lui Coimbra, Fred Ferreira e Alfredo Del Penho

Figurinos da fotos (encarte): Ronaldo Fraga

Fotos encarte do CD: Dan Coelho

Foto de capa: Sérgio Caddah

Realização: Aquarela Carioca Produção de Arte e Biscoito Fino

Direção de produção: Renata Grecco

Relações Institucionais: Cibele Lopes

Gravadora: Biscoito Fino

Projeto realizado com patrocínio do Natura Musical

Sobre Natura Musical

Natura Musical é a plataforma de cultura da marca Natura. Desde seu lançamento, em 2005, o programa investiu cerca de R$ 174,5 milhões no patrocínio de mais de 518 projetos - entre trabalhos de grandes nomes da música brasileira, lançamento e consolidação de novos artistas e projetos de fomento à cenas e impacto social positivo. Os trabalhos artísticos renovam o repertório musical do País e são reconhecidos em listas e premiações nacionais e internacionais. Em 2020, o edital do Natura Musical selecionou 43 projetos em todo o Brasil e promoveu mais de 300 produtos e experiências musicais, entre lançamentos de álbuns, clipes, festivais digitais, oficinas e conferências. Em São Paulo, a Casa Natura Musical se tornou uma vitrine permanente da música brasileira, com uma programação contínua de lives, performances, bate-papos e conteúdos exclusivos, agora digitalmente.

AS MAIS LIDAS DA SEMANA...